Top 5 de filmes de 2010

Top 5 de filmes de 2010

Segundo o Poltrona, os melhores filmes de 2010 foram:

1- A Rede Social

O blog discorda do jornalista Arthur Xexéo. O filme dirigido por David Fincher não ganhou 17 prêmios em festivais à toa. O filme é excelente! Fiquei três dias reverberando a trama. Se tudo ali é verdade, não sei, mas a história é muito bem contada e te prende a atenção.

2-A origem

Christopher Nolan é um dos meus cineastas favoritos, desde Amnésia, passando pelos últimos da frnquia Batman. O filme é bem construído e te faz refletir.

3- Tropa de Elite 2

O filme é bem melhor que o primeiro. Mais inteligente e cerebral, mas que “mexe” com os sentimentos, principalmente de quem mora no Rio de Janeiro. José Padilha bateu o recorde da Retomada com mais de dez milhões de espectadores. Um divisor de águas: antes de Tropa e depois de Tropa.

4- Harry Potter 7 e as relíquias da morte – parte 1

O melhor da saga do bruxinho mais adorável da literatura e das telonas. O filme é soturno, sombrio, mas amarra bem o início do desfecho que J. K. Rowling preparou. Não dá para piscar um só minuto. Sem trailer, porque é longo, é bom o cinéfilo não se atrasar. HP7 resgata de forma sublime e simples a amizade dos três protagonistas. Ansiedade máxima para a parte 2 que se´ra lançada em julho de 2011.

5- Alice no País das Maravilhas

Pegue Tim Burton e Johnny Depp. misture muito bem com uma pitada de Helena Boham Carter. O resultado: sucesso. O filme é uma fábula baseada em uma das histórias mais famosas do planeta e não deixa a desejar com a genialidade de Burton e a química perfeita com Depp. E ainda é da Walt Disney Pictures. Imperdível!

 

Sessão Nostalgia: Esqueceram de mim 2: Perdido em Nova York

Sessão Nostalgia: Esqueceram de mim 2: Perdido em Nova York

O filme é bobo e é estrelado por Macaulay Culkin, mas Nova York pe qualquer nota.

Há uma panorama da cidade com todos os pontos turísticos. Eu amo a cidade. Estive lá três vezes, a última em 2001 que me deixou lembranças marcantes. Estive lá antes da queda das Torres Gêmeas. Jamais esquecerei essa viagem e os personagens que fizeram parte dessa história. Fazem parte do que é a minha vida, a minha história.

Meu sonho é passar um Natal em Nova York por causa da árvore do Rockfeller Center, símbolo da cidade.

A película é uma comédia em que o menino Kevin dribla os ladrões que ele venceu na primeira parte da série. É um filme para se divertir, mas quem rouba a cena de Culkin definitivamente é Nova York com o Empire State Buliding, a Broadway e o World trade Center que apartece logo no início imponente, majestoso, o símbolo do capitalismo americano.

O Natal é uma época sublime e aproveito para desejar a todos um Feliz e Iluminado Natal! Aproveitem!

Tem também o Central Park que eu amo e o Hotel Plaza, o luxo em matéria de hospedagem, que é onde o menino fica sem ser descoberto pelas autoridades, sem os pais.

Diversão para toda a família!

Não sinto falta dos nova iorquinos, sinto falta da cidade de Nova York que faz parte da minha vida com o Metropolitan e o Museu de História Natural. Os momentos que vivi ali em NY carregarei por toda a minha existência.

Julie e Julia

Julie e Julia

O filme fala de uma blogueira, Julie, que começa a publicar receitas da cozinheira Julia que foi morar em Paris acompanhando o marido, Paul, e que não tinha nenhuma profissão, estava perdida. Aptrende a cozinhar no Le Cordon Bleu, a meca do aprendizado de gastronomia.

Julie vive nos Estados Unidos e trabalha como atendente de telemarketing e também se sentia perdida até que por conselho da mãe decide escrever um blog com as receitas francesas de Julia Child. Julie quase se separou do marido por sua obsessão com a cozinha e com Julia.

O blog de Julie passa a fazer sucesso e até seu chefe o lê. Até que ela dá uma entrevista ao New York Times que faz com que ela seja alvo de editores e agentes literários.

Enquanto isso a saga de Julia para publicar seu livro de receitas também é mostrada até que ela ganha um programa de TV ao retornar aos Estados Unidos após morar em Paris, que ela não queria deixar, e também em Marselha.

Julie publica 524 receitas em 365 dias em seu blog. E conta com o apoio de seu marido Eric que é muito paciente, mesmo e a compreende.

O filme é sensacional e Meryl Strepp dá um show, como sempre. Minha atriz favorita.

O filme termina com Julie visitando a exposição de Julia e declarando sua afeição e admiração por ela.

Para quem escreve blogs é simplesmente fantástico porque queremos sempre que as pessoas leiam o que temos a dizer e que estreitem os laços que nos separam entre um computador e outro, essa tela invisível que aproxima, faz companhia e ao mesmo afasta.

O livro de Julie vira filme. Julia morreu aos 94 anos, em 2004. Paul, seu devotado marido, morreu antes dela, infelizmente.

Imperdível! Assistam!

Eu amo a culinária francesa e filmes. Foi uma combinação perfeita.

O filme é de 2009 e Nora Ephron é diretora de clássicos como Sintonia de Amor e Mensagem para você e é roteirista do sensacional Harry e Sally – Feitos um para o outro.

Foi o primeiro filme que eu dei de dica cultural no programa 15 minutos onde trabalhei por 1 ano.

Sinopse: 1948. Julia Child (Meryl Streep) é uma americana que passou a morar em Paris devido ao trabalho de seu marido, Paul (Stanley Tucci). Em busca de algo para se ocupar, ela se interessou por culinária e passou a apresentar um programa de TV sobre o assunto. Cinquenta anos depois, Julie Powell (Amy Adams) está prestes a completar 30 anos e está frustrada com a vida que leva. Em busca de um objetivo, ela resolve passar um ano cozinhando as 524 receitas do livro de Julia Child, “Mastering the Art of French Cooking”. Ao longo deste período Julie escreve para um blog, onde relata suas experiências.

Ficha técnica: Título original: (Julie & Julia)

lançamento: 2009 (EUA)

direção:Nora Ephron

atores:Meryl Streep, Amy Adams, Stanley Tucci, Chris Messina.

duração: 123 min

gênero: Drama

O cavaleiro das trevas/Por Eduardo Guimarães

O cavaleiro das trevas/Por Eduardo Guimarães

Por Eduardo Guimarães

Quando surge a notícia de que um personagem de história em quadrinhos vai virar filme, podemos notar duas reações básicas nas pessoas.

A primeira é de total antipatia pelo personagem e pelo filme, definida pela clássica frase: filme de HQ é coisa para criança.

A segunda reação é a de expectativa positiva. Essa reação pode vir de quem é fã ou não do personagem. Os fãs esperam ver seu herói em carne e osso. Os não fãs querem apenas um bom entretenimento por algumas horas.

Mas este não é o caso de CAVALEIRO DAS TREVAS

Sim, ele é um filme sobre quadrinhos. Mas ele alguns assuntos tratados no filme merecem um destaque. Porque o filme não envolve apenas HQs. Envolve muito da essência do ser humano.

Primeiro, temos que dar destaque a Heath Ledger. Eu achava difícil alguém fazer um Coringa melhor do que Jack Nicholson fez no BATMAN de Tim Burton. Mas eu tenho que tirar o chapéu para Heath. Seu Coringa é perfeito. Um espelho distorcido da sanidade humana. Ou um reflexo puro da insanidade. Para ele, não há limites, não há barreiras que não possam ser quebradas. Sua única motivação é mostrar sua verdade distorcida: que toda pessoa tem uma lado negro preste a ser liberado. E ele quer liberar esse lado de toda a população de Gotham.

Sobre o ator, foi uma pena sua morte. Ele mostrou toda a sua competência no papel. Duvido que outra pessoa pudesse fazer um Coringa caótico como ele fez. Como disse, achava impossível alguém fazer o personagem melhor do que Nicholson fez. Mas ele fez e digo que ele até superou. Tanto que o Oscar que ele recebeu é mais do que merecido.

Por sinal, esta é uma tradição na história do Batman: o Coringa sempre rouba a cena do Homem Morcego. Cesar Romero na série da década de 60, Nicholson em 89 e recentemente Ledger.

Para se preparar para o Coringa, Heath Ledger viveu sozinho em um hotel por um mês, desenvolvendo o lado psicológico, a postura e a voz do personagem. Ledger iniciou um diário, onde escrevia os pensamentos do Coringa e os sentimentos que o guiavam durante sua performance. E atingiu algo que acreditava impossível: uma mente pervertida e distorcida que o personagem tem.

Em parte, eu concordo com o Coringa. Acredito que todos têm um lado negro. Mas preferem deixar escondido, quieto. Muitas pessoas deixam esse lado adormecido, fazendo algo que o satisfaça, como praticar esportes, beber, usar drogas, sexo ou qualquer coisa que crie uma sensação de prazer que não é fornecida pela vida cotidiana. Alguns chegam a pontos mais extremos para satisfazer esse lado. O problema é quando esse lado se solta no dia a dia. Muitas pessoas acabam perdendo a paciência e soltando esse lado por motivos bobos. E nesse momento é que acontecem coisas como morte no transito, mulheres espancadas, crianças abusadas e coisas bem piores.

Ele é o agente do Caos em um mundo a beira do colapso. Não poderia imaginar uma figura mais forte do que ele para mostrar o quanto nós estamos pertos de quebrar as barreiras da civilidade.

Outros pontos bem abordados no filme são a ética e a moral. Muitos personagens mostrados no filme, pessoas que deveriam ser de confiança, se mostram falsas. Sua ética e moral se mostram disponíveis pelo maior preço. Mas isso não deve ser de espanto para nós, afinal vivemos em um país onde a corrupção e violência são noticias comuns nos jornais.

Por fim, acho que o melhor tema do filme é o sacrifício. Muitas pessoas sabem o quanto dói ter que fazer um sacrifício por uma pessoa. Mas depois esse sacrifício sempre se mostra compensador. Acredito nisso. Se temos que fazer uma escolha e ela nos obriga a fazer um sacrifício, que se tome a decisão rapidamente e que se aceite suas conseqüências. Se adiarmos a decisão, acabamos ficando com medo e tomamos a decisão errada e covarde. No filme, quando Batman tem que tomar uma decisão, ele não para e pensa: apenas toma. Analisa as possibilidades e aceita elas. Particularmente, eu adorei essa cena do filme.

Bom, nem preciso dizer que recomendo o filme. CAVALEIRO DAS TREVAS não é apenas um filme de super-herói. É um filme sobre o ser humano. E as decisões que temos que tomar diariamente.

Todos precisam assistir e pensar sobre ele.

Outro olhar: Cinema Paradiso

Outro olhar: Cinema Paradiso

O filme fala sobre a magia do cinema através dos olhos puros e infantis de Toto.

Performance memorável de Philippe Noiret.Dirigido por Giuseppe Tornatore. Um filme de 1988, ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Clássico do cinema italiano, que se tornou um ícone mundial tamanha a beleza e a suavidade com uma história singela e tocante.

Quem não viu, veja.

A trilha sonora é simplesmente fantástica e feita sob medida, de Ennio Morricone.

Sinopse: Nos anos que antecederam a chegada da televisão (logo depois do final da Segunda Guerra Mundial), em uma pequena cidade da Sicília o garoto Toto (Salvatore Cascio) ficou hipnotizado pelo cinema local e procurou travar amizade com Alfredo (Philippe Noiret), o projecionista que se irritava com certa facilidade, mas parelamente tinha um enorme coração. Todos estes acontecimentos chegam em forma de lembrança, quando agora Toto (Jacques Perrin) cresceu e se tornou um cineasta de sucesso, que recorda-se da sua infância quando recebe a notícia de que Alfredo tinha falecido.

 

A proposta

A proposta

O filme “A proposta” com Sandra Bullock e Ryan Reynolds é uma graça. Uma comédia despretensiosa que agrada bastante e foi um dos estopins do renascimento de Sandra Bullock em 2009.

Ela desempenha um excelente papel e Ryan Reynolds, ex-senhor Scarlett Johanson, é um charme, além de ter uma atuação convincente.

A paisagem da Alaska é linda!

O filme fala do amor. E como ele pode surgir do mais inesperado possível. Eu retardei assistir ao jogo do New York Knicks para ver esse filme delicioso que nos EUA desbancou “Se beber, não case” do topo das bilheterias em 2009.

A família de Andrew é excêntrica e fofa.

E é muito bom ver Sandra Bullock em alta performance.

Margaret e Andrew acabam se descobrindo, um apoiando o outro e vendo mais as virtudes do que os defeitos um do outro, após o contato aproximado no final de semana dos 90 anos da avó dele no Alaska.

Achei a cena do Clube das Mulheres engraçada, mas meio desnecessária.

O filme é muito bom. Recomendo.

Sinopse: Quando a poderosíssima editora de livros Margaret se vê diante da deportação para o seu país de origem, o Canadá, ela rapidamente declara que está noiva de seu desprevenido e injustiçado assistente Andrew, que ela atormenta há anos. Ele concorda em participar da farsa, mas com uma condição: os dois devem ir ao Alasca conhecer a excêntrica família dele. Com o casamento improvisado sendo organizado e o oficial de imigração atrás deles, Margaret e Andrew relutantemente seguem seu plano, apesar das consequências.

Proposta, A    (2009)
Proposal, The
Direção: Anne FletcherAnne Fletcher
Roteiro:  Peter Chiarelli 
Elenco:  Sandra Bullock, Ryan Reynolds, Malin Akerman, Betty White
 
Cine Majestic

Cine Majestic

O filme é com Jim Carrey em mais um desempenho sensível e profundo. Eu o prefiro em dramas a comédias. Eu o acho um ator completo que ficou estigmatizado por também fazer rir.

A película é de 2001. O diretor é Frank Darabont.

Para quem ama cinema, esse filme é simplesmente imperdível. Um homem que perde a memória e acaba confundido com o filho do dono do cinema local, vivido por Martin Landau. Ele reinaugura o cinema que se torna um acontecimento na cidade.

Luke acaba recuperando sua memória aos poucos. Descobre também o amor.

Sinopse

Em plena década de 50, Peter Appleton (Jim Carrey) é um jovem e ambicioso roteirista de cinema que se torna, por engano, alvo do macarthismo. Acusado de seguir a doutrina comunista, ele perde seu emprego e acaba sofrendo um acidente em que seu carro cai em um rio. Sem memória e levado pela correnteza para perto de uma pequena cidade do interior da Califórnia, ele acaba sendo confundido com Luke Trimble, o filho do dono da sala de cinema local, que desapareceu em meio a 2ª Guerra Mundial. Após assumir a identidade de Trimble, ele então redescobre a magia do cinema ao iniciar a reforma da sala e prepará-la para sua reestréia.

Nota do blog: Outro filme sensacional que fala do Macartismo é Boa noite, boa sorte.

Ficha técnica:

Título original: (The Majestic)

Lançamento: 2001 (EUA)

direção:Frank Darabont

Atores:Jim Carrey, Martin Landau, Laurie Holden, Allen Garfield.

Duração: 153 min

Gênero: Drama