31- Film Socialisme, de Goddard

31- Film Socialisme, de Goddard

O filme é muito bom. Eu fui assistir com um rapaz pra lá de especial e acreditem, vi o filme, que é profundo e ao mesmo tempo direto. Não se pode piscar o olho para entender todas as nuances do genial Goddard e há muitos elementos de comunicação Social, principalmente Linguística, em determinados momentos quando ele fala de Jakobson.

O filme conecta o consumismo exagerado, cruzeiros de transatlânticos, uma família comum fugindo da mídia e um amor juvenil de uma mocinha e um menininho bem mais jovem. Tudo isso contrapondo ao socialismo e aos movimentos acontecidos em algumas cidades como Helas, na Grécia e em algumas regiões como a Palestina.

Recomendo o filme.

Assisti no delicioso e cult Estação Botafogo que nos areedores tem muita gente bonita.

Goddard é um banho de intelectualidade e cultura. A companhia agradável ajudou muito.

Só achei o final nonsense, sem graça. Goddard poderia arrematar de outra forma.

Sinopse

Num cruzeiro pelo mar Mediterrâneo, com personalidades como o filósofo francês Alain Badiou e a cantora americana Patti Smith a bordo, passageiros discutem sobre história, dinheiro e geometria. Longe dali, a família Martin, que mora num posto de gasolina, recebe a visita de uma jornalista e sua cinegrafista. As duas passam o dia à espera de uma entrevista com os pais, enquanto as crianças exigem deles explicações sobre liberdade, igualdade e fraternidade.

Ficha técnica:

título original: (Film Socialisme)

lançamento: 2010 (França, Suíça)

direção:Jean-Luc Godard

atores:Catherine Tanvier, Christian Sinniger, Jean-Marc Stehlé, Patti Smith.

duração: 101 min

gênero: Drama

Anúncios
As apostas para o Oscar 2011

As apostas para o Oscar 2011

Melhor filme: A rede social

Melhor diretor: David Fincher

Melhor ator: Colin firth, de O Discurso do Rei

Melhor atriz: Natalie Portman, de Cisne Negro

Melhor ator coadjuvante: Christian Bale, de O Vencerdor

Melhor atriz coadjuvante: Melissa Loe, de O Vencedor

Melhor filme estrangeiro: Biutiful, d eAlejjandor Inarritu

Melhor roteiro original: A origem

Melhor roteiro adaptado: A rede social

Melhor desenho: Toy Story 3

Quais são as suas apostas para o Oscar? Comentem! Dia 27 é a entrega do prêmio mais importante do cinema!

Sai a lista dos indicados ao Oscar 2011

Sai a lista dos indicados ao Oscar 2011

Melhor filme

Cisne Negro
O Vencedor
A Origem
O Discurso do Rei
A Rede Social
Minhas Mães e meu Pai
Toy Story 3
127 Horas
Bravura Indômita
Inverno da Alma

Melhor diretor

Darren Aronovsky – Cisne Negro
David Fincher – A Rede Social
Tom Hooper – O Discurso do Rei
David O. Russell – O Vencedor
Joel e Ethan Coen – Bravura Indômita

Melhor ator

Jesse Eisenberg – A Rede Social
Colin Firth – O Discurso do Rei
James Franco – 127 Horas
Jeff Bridges – Bravura Indômita
Javier Bardem – Biutiful

Melhor atriz

Nicole Kidman – Reencontrando a Felicidade
Jennifer Lawrence – Inverno da Alma
Natalie Portman – Cisne Negro
Michelle Williams – Blue Valentine
Annette Bening – Minhas Mães e meu Pai

Melhor ator coadjuvante

Christian Bale – O Vencedor
Jeremy Renner – Atração Perigosa
Geoffrey Rush – O Discurso do Rei
John Hawkes – Inverno da Alma
Mark Ruffalo – Minhas Mães e meu Pai

Melhor atriz coadjuvante

Amy Adams – O Vencedor
Helena Bonham Carter – O Discurso do Rei
Jacki Weaver – Animal Kingdom
Melissa Leo – O Vencedor
Hailee Steinfeld – Bravura Indômita

Melhor longa animado

Como Treinar o Seu Dragão
O Mágico
Toy Story 3

Melhor filme em lingua estrangeira

Biutiful
Fora-da-Lei
Dente Canino
Incendies
Em um Mundo Melhor

Melhor direção de arte

Alice no País das Maravilhas
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I
A Origem
O Discurso do Rei
Bravura Indômita

Melhor fotografia

Cisne Negro
A Origem
O Discurso do Rei
A Rede Social
Bravura Indômita

Melhor figurino

Alice no País das Maravilhas
I am Love
O Discurso do Rei
The Tempest
Bravura Indômita

Melhor montagem

Cisne Negro
O Vencedor
O Discurso do Rei
A Rede Social
127 Horas

Melhor documentário

Lixo Extraordinário
Exit Through the Gift Shop
Trabalho Interno
Gasland
Restrepo

Melhor documentário em curta-metragem

Killing in the Name
Poster Girl
Strangers no More
Sun Come Up
The Warriors of Qiugang

Melhor trilha sonora

Alexandre Desplat – O Discurso do Rei
John Powell – Como Treinar o seu Dragão
A.R. Rahman – 127 Horas
Trent Reznor e Atticus Ross – A Rede Social
Hans Zimmer – A Origem

Melhor canção original

“Coming Home” – Country Strong
“I See the Light” – Enrolados
“If I Rise” – 127 Horas
We Belong Together – Toy Story 3

Melhor Maquiagem

O Lobisomem
Caminho da Liberdade
Minha Versão para o Amor

Melhor Curta-metragem de animação

Day & Night
The Gruffalo
Let’s Pollute
The Lost Thing
Madagascar, Carnet de Voyage

Melhor Curta-metragem

The Confession
The Crush
God of Love
Na Wewe
Wish 143

Melhor Edição de som

A Origem
Toy Story 3
Tron – O Legado
Bravura Indômita
Incontrolável

Melhor Mixagem de som

A Origem
Bravura Indômita
O Discurso do Rei
A Rede Social
Salt

Melhor Efeitos especiais

Alice no País das Maravilhas
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I
Além da Vida
A Origem
Homem de Ferro 2

Melhor Roteiro adaptado

A Rede Social
127 Horas
Toy Story 3
Bravura Indômita
Inverno da Alma

Melhor Roteiro original

Minhas Mães e meu Pai
A Origem
O Discurso do Rei
O Vencedor
Another Year

30- Pearl Harbor

30- Pearl Harbor

Tive insônia outro dia e ainda tive que levar minha irmã ao Hospital. O doce alento foi ver Pearl Harbour que é uma visão um tanto maniqueísta da Segunda Guerra em que se coloca os Estados Unidos como vítima do ataque japonês à Pearl Harbour, mas é um filme sublime.

Pelo menos foi nele que descobri Josh Hartnett que vive Danny um piloto ingênuo, sem família, que é amigo de Rafe, vivido por Ben Affleck, que adoro, e que acaba se apaixonando pela namorada do amigo.

Salvo o arroubo do heroismo americano, as tomadas dos embates aéreos são lindíssimas e o romantismo também é tocante. A cena que Rafe deixa a namorada enfermeira no hotel, Evelyn, sem consumar o que sentia por ela, por considerá-la especial, é bem bonita.

Os três formam um triângulo amoroso esteticamente irreprensível, já que Kate é muito bonita e tem uma atuação correta, compondo com Ben e Josh. Ben Affleck é melhor roteirista e diretor, podendo enveredar o caminho que realizou Clint Eastwood, mas sua atuação é digna e ele está no melhor de sua forma.

As cenas de auxílio às vitimas no hospital de campanha, de guerra, são emocionantes porque mostram o atendimento das enfermeiras, profissão por vezes desvalorizada, e que é realçada no filme. Por causa da condescendência e da benevolência de Evelyn que Rafe passa no teste médico para se tornar piloto, já que tem problema de visão.

Jennifer Gardner, senhora Ben Affleck, passa quase despercebida, como uma enfermeira, amiga de Evelyn, de óculos e de cabelos curtos. Está quase irreconhecível. Eu só a notei nesta vez em que assisti ao filme.

A volta de Rafe que era dado como morto também dá uma movimentada na trama. Assim como a cena de amor entre Danny e Evelyn é uma das mais bonitas da história do cinema.

A trilha sonora é envolvente.

Vale a pena conferir. O filme parece desprentensioso, mas prende a atenção. E na sala de espera do Quinta Dor, estavam todos olhando a película atentamente, sem piscar um olho sequer. Recomendo.

Sinopse

Pouco antes do bombardeio japonês em Pearl Harbor, dois amigos que são como irmãos um para o outro se envolvem de maneira distinta nos eventos que fazem com que os Estados Unidos entrem na 2ª Guerra Mundial. Enquanto que Rafe (Ben Affleck) se apaixona pela enfermeira Evelyn (Kate Beckinsale) e decide se alistar na força americana que lutará na 2ª Guerra Mundial, em Londres, Danny (Josh Hartnett) torna-se piloto da Força Aérea dos Estados Unidos e permanece no país. Após a notícia de que Rafe morrera em um dos combates que travava contra os alemães, Danny e Evelyn se aproximam e terminam se apaixonando.

Ficha técnica:

título original: (Pearl Harbor)

lançamento: 2001 (EUA)

direção:Michael Bay

atores:Ben Affleck, Kate Beckinsale, Josh Hartnett, Cuba Gooding Jr., Tom Sizemore.

duração: 183 min

gênero: Ação

29. A noviça rebelde

29. A noviça rebelde

Hoje faz 20 anos que meu pai faleceu e um dos filmes que mais me lembro dele porque víamos no Natal é A noviça rebelde que vi 20 vezes ou mais.

O filme é delicado e conta as aventuras de uma noviça que tem dificuldade de se adaptar à vida no convento devido ao seu temperamento alegre e extrovertido. Até que a Madre Superiora a manda cuidar de 7 crianças, na casa do capitão Von Trapp que tem dificuldade de manter as governantas pois seus filhos só querem chamar sua aençaõ e aprontam todas!

É um musical e as músicas são maravilhosas principalmente Edelweiss e My favourtie things.

O filme é de 1965 e Julie andrews poderia ter ganho o Oscar, mas não conseguiu. Tremenda injustica. O filme ganhou o Oscar de Melhor filme e mais quatro.

As paisagens da Áustria são fantásticas. É um lugar que tenho vontade de conhecer. Christopher Plummer faz o antológico Capitão Von Trapp. O filme é simplesmente delicioso, para ver com toda a família.

E não cansa. A versão legendada que agora passa no Telecine Cult é a melhor. O filme foi um dos primeiros que eu comprei no exterior em DVD duplo, em inglês. Sensacional. Vale a pena conferir um dos mais belos filmes produzidos de todos os tempos com uma bela história de amor, baseada em fatos reais. Maria e Georg, um dos mais interessantes casais do cinema. O amor do capitão pela pátria, o que o faz declinar de se juntar às forças nazistas também é comovente porque recupera um sentido de amor ao país.

A cena no festival em que Von Trapp puxa o coro de Edelweiss e todos cantam na plateia tambem é emocionante.

Sinopse:

Este filme não recebe a alcunha de clássico à toa. Excelente, marcou época quando foi lançado e ainda hoje encanta a todos que se dispõem a vê-lo. A história é simples e até ingênua, mas de um envolvimento por parte do espectador impressionante. A trilha sonora é um capítulo a parte, simplesmente sensacional. E os pequenos detalhes sobre a ocupação da Áustria por parte da Alemanha de Hitler são extremamente interessantes, principalmente a frase “Afinal de contas, a Áustria não mudou em nada, certo?”, usada pelos oficiais alemães após a invasão. Nada melhor para designar qual era o sentimento do povo austríaco perante tudo o que ocorria à sua volta.

Ficha técnica:

título original: (The Sound of Music)

lançamento: 1965 (EUA)

direção:Robert Wise

atores:Julie Andrews, Christopher Plummer, Eleanor Parker, Richard Haydn.

duração: 172 min

gênero: Musical

28- Em busca da terra do nunca

28- Em busca da terra do nunca

Esse filme fala de como o escritor J.M. Barry se inspirou para escrever Peter Pan. Conheceu uma mãe e seus filhos e acabou de envolvendo com eles e com a história. Um filme belíssimo que nos faz chorar muito. Pura emoção.

Essa família entra em sua vida por acaso e ele acaba recuperando a inspiração que começava a lhe faltar, já que ele era um escritor de peças teatrais. A forma como ele entretém as crianças e a sensibilidade do filme são comoventes. Johnny Depp e Kate Winslet arrasam em seus papeis.

Barrie se apaixona por Silvya, mas o amor deles não é consumado, nem ele se declara, fortalecendo o elo bonito entre eles e os filhos dela.

Sinopse

J.M. Barrie (Johnny Depp) é um bem-sucedido autor de peças teatrais, que apesar da fama que possui está enfrentando problemas com seu trabalho mais recente, que não foi bem recebido pelo público. Em busca de inspiração para uma nova peça, Barrie a encontra ao fazer sua caminhada diária pelos jardins Kensington, em Londres. É lá que ele conhece a família Davies, formada por Sylvia (Kate Winslet), que enviuvou recentemente, e seus quatro filhos. Barrie logo se torna amigo da família, ensinando às crianças alguns truques e criando histórias fantásticas para eles, envolvendo castelos, reis, piratas, vaqueiros e naufrágios. Inspirado por esta convivência, Barrie cria seu trabalho de maior sucesso: Peter Pan.

Ficha Técnica:

título original: (Finding Neverland)

lançamento: 2004 (EUA)

direção:Marc Forster

atores:Johnny Depp, Kate Winslet, Julie Christie, Radha Mitchell.

duração: 106 min

gênero: Drama

27- Adeus, lênin

27- Adeus, lênin

Eu era simpatizante do regime comunista, até crescer. Esse filme é uma fábula que envolve um rapaz e sua mãe. Para protegê-la do fim do socialismo na Alemanha Oriental, o que lhe causaria desgosto e até a morte após um estado de Acidente Vascular Cerebral, ele recria tudo que existia na antiga Alemanha Oriental.

Até que ela descobre a verdade e reage melhor do que ele imaginava. O filme é uma preciosidade também por ser histórico e mostrar figuras clássicas do comunismo como a estátua de Lênin.

A trilha sonora eu redescobri através de minha amiga Fernanda Tomaz que me fez relembrá-la. É cult. Simplesmente imperdível.

Sinopse:

Em 1989, pouco antes da queda do muro de Berlim, a Sra. Kerner (Katrin Sab) passa mal, entra em coma e fica desacordada durante os dias que marcaram o triunfo do regime capitalista. Quando ela desperta, em meados de 1990, sua cidade, Berlim Oriental, está sensivelmente modificada. Seu filho Alexander (Daniel Brühl), temendo que a excitação causada pelas drásticas mudanças possa lhe prejudicar a saúde, decide esconder-lhe os acontecimentos. Enquanto a Sra. Kerner permanece acamada, Alex não tem muitos problemas, mas quando ela deseja assistir à televisão ele precisa contar com a ajuda de um amigo diretor de vídeos.

ficha técnica:

título original: (Good Bye, Lenin!)

lançamento: 2003 (Alemanha)

direção:Wolfganger Becker

atores:Katrin Sab, Chulpan Khamatova, Florian Lukas, Alexander Beyer.

duração: 118 min

gênero: Drama