102-Jesus – A maior história de todos os tempos

102-Jesus – A maior história de todos os tempos

É um dos meus filmes predietos sobre Jesus, esse homem que inspira a minha vida e o qual sigo plenamente.

Nesse fime, Jesus é alegre e descontraído. Se apaixona por Maria, irmã de Marta, e renuncia a esse amor por sua missão.

Gosto muito de Jesus de Nazaré, de Zefirelli, meu preferido, mas esse me toca fundo.

Num dia especial como o de Natal, recomendo que vejam esse filme sublime. Há alguns erros bíblicos, mas perdoáveis.

Jesus, é o Caminho, a Verdade e a Vida. Minha vida é devotada a ele, sem restrições.

Sinopse: quando José, seu pai terrestre morre, Maria diz a Jesus que é chegada a sua hora de cumprir a missão que o Pai lhe confiou. Todos os seus passos são mostrados.

Ficah técnica:

Jeremy Sisto, Jacqueline Bisset, Gary Oldman.

Anúncios
101- Em algum lugar do passado

101- Em algum lugar do passado

Sempre gostei desse filme pois tinha a sensação de que viveria algo do tipo. E vivi. Gostaria de embarcar numa máquina no tempo e me reinventar, ou então, reinventar uma situação.

A trilha é maravilhosa, triste, tocante.

Um amor que sobrevive ao tempo e se perpetua, é eterno.

E Jane Seymour é uma de minhas atrizes favoritas.

Recomendo!

Sinopse

Universidade de Millfield, maio de 1972. Richard Collier (Christopher Reeve) é um jovem teatrólogo que conhece na noite de estréia da sua primeira peça uma senhora, idosa, que lhe dá um antigo relógio de bolso enquanto, em tom de súplica, lhe diz: “volte para mim”. Ela se retira sem dizer mais nada, deixando Richard intrigado enquanto volta para seu quarto no Grand Hotel. Chicago, 1980. Richard não consegue terminar sua nova peça, assim decide viajar sem destino certo e resolve se hospedar no Grand Hotel. Lá resolve visitar o Salão Histórico, que esta está repleto de antiguidades e curiosidades do hotel, e fica encantado com a fotografia de uma bela mulher. Como não havia plaqueta de identificação Richard procura Arthur Biehl (Bill Erwin), um antigo funcionário do hotel, que diz para Richard que o nome dela é Elise McKenna (Jane Seymour), uma atriz famosa que fez uma peça no teatro do hotel em 1912. Collier fica tão obcecado com o rosto de Elise que decide não partir e então vai até uma biblioteca próxima, onde pesquisa sobre McKenna. Para sua surpresa descobre que Elise é a mesma mulher que lhe deu o relógio, que ele carrega até hoje. Richard então procura Laura Roberts (Teresa Wright), que escreveu o artigo sobre Elise. Inicialmente ela não o recebe bem, mas quando ele mostra o relógio Laura fica espantada, pois era uma objeto de estimação que ela nunca se separava e sumiu na noite em que ela morreu, ou seja, na noite em que falou com Richard. Ao conversar mais calmamente com Laura, Richard toma consciência que ele e Elise tinham vários fatores em comum, mas parece que para achar a peça que falta deste bastante intricado quebra-cabeças ele terá de ir em algum lugar do passado, mas para isto precisa se desligar totalmente do presente.

Título original: (Somewhere in Time)

Lançamento: 1980 (EUA)

Direção: Jeannot Szwarc

Atores: Christopher Reeve, Jane Seymour, Christopher PlummerTeresa Wright.

Duração: 103 min

Gênero: Romance

Poltrona de Opinião/Eduardo Guimarães

Poltrona de Opinião/Eduardo Guimarães

A volta do pastelão do cinema

Foi divulgado esta semana o 1º trailer do filme Os Três Patetas (The Three Stooges, direção de Bobby e Peter Farrelly), que irá estrear nos cinemas americanos no dia 4 de abril de 2012.

Quem ainda não viu o trailer, merece parar 2 minutos do seu dia para clicar aqui e ver. O trailer está muito engraçado.

O que realmente me chamou atenção neste trailer foi que ele aparentemente o filme vai ter a mesma característica da série da década de 30: a comédia pastelão.

Uma comédia que pode ser considerada violenta, com muitos dedos nos olhos e tapas na cara, mas ao mesmo tempo extremamente divertida.

Mas aí é que está meu medo: de amanhã aparecer um desocupado que ache que esse filme é politicamente incorreto e que pode prejudicar as crianças e pede a proibição da exibição.

Eu sou de uma geração que adorava ver o Willy E. Coyote despencar pelos desfiladeiros; ria muito quando o Jerry colocava um fósforo no pé do Tom; quando o Pica-Pau colocava uma dinamite na calça do guarda e acendia; ou quando o Pernalonga tampava com a mão a arma e ela explodia na cara do Hortelino Troca-Letras. E que assistiu muita reprise do Chaves e dos Três Patetas.

Qualquer pessoa com mais de 30 anos cresceu vendo esses filmes e desenhos. E não somos um bando de loucos assassinos e violentos.

Do jeito que o mundo está chato e politicamente correto não é de se duvidar mesmo que alguém vai se sentir ofendido pelo filme.

O que será uma pena, porque o trailer mostra o retorno da comédia pastelão, que havia sido esquecida.

Não sei porque este tipo de comédia foi deixado de lado.

Espero realmente que com esta nova versão de Os Três Patetas, o humor pastelão volte a cena.

Lógico que desde que não seja processado.

Gostaria de dizer que este colunista vai fazer uma pausa para as festas de final de ano e deve voltar somente em fevereiro de 2012.

Para você, que acompanhou as besteiras que escrevi, meu muito obrigado, feliz Natal e prospero Ano Novo.

Nos vemos em 2012.

100- Odeio o Dia dos Namorados

100- Odeio o Dia dos Namorados

O filme parece bobinho, mas eu gostei. Nos leva a muitas reflexões. Fala de encontros e desencontros e de regras infundadas. Eu não acredito nelas, só em alguns protocolos em encontros, digamos. Mas se as pessoas não se gostam, tudo vai por água abaixo.

Confesso que na fase atual, eu também odeio o Dia dos Namorados.

Estou desacreditada do amor. Espero que essa ideia seja passageira e mude.

O filme é com a mesma dupla de Casamento Grego. Vale a pena!

Sinopse

Genevieve (Nia Vardalos) é dona de uma floricultura e adora tudo relacionado ao Dia dos Namorados, afinal de contas é a época em que tem um grande aumento nas vendas. Para relacionamentos ela segue uma receita até então infalível: tem apenas cinco encontros, o que evita que passe pelo sofrimento inevitável dos romances. Isto faz com que ela se torne uma espécie de conselheira sentimental, para amigos e vizinhos. Quando Greg (John Corbett) abre um restaurante próximo, Genevieve logo percebe que ele tem dificuldades com mulheres. Ela explica sua tática e eles decidem aproveitar os cinco encontros. Só que ele deseja continuar o relacionamento, o que faz com que ela se depare com seus medos.

Título original: (I Hate Valentine’s Day)

Lançamento: 2009 (EUA)

Direção: Nia Vardalos

Atores: Nia VardalosJohn Corbett, Judah Friedlander, Zoe Kazan.

Duração: 89 min

Gênero: Comédia