Recesso do blog

Recesso do blog

O Poltrona de Cinema entra em recesso e volta em 12 de janeiro com muitas novidades. Desejamos a todos os leitores e frequentadores do blog um maravilhoso 2015!!!

 

Crédito da foto: Image courtesy of satit_srihin at FreeDigitalPhotos.net
Crédito da foto: Image courtesy of satit_srihin at FreeDigitalPhotos.net
Anúncios
TOP 5 filmes de brucutus da década de 80

TOP 5 filmes de brucutus da década de 80

Salve galera.

Final de ano está chegando e você não tem a menor ideia do que dar para aquele seu tio chato que sempre faz a piada do pavê?

Como ele deve ter quase 40 anos, aposto que com qualquer um destes filmes de brucutus ele vai chorar de felicidade.

Mas você deve estar se perguntando: o que é um bom filme de brucutu?

Bom, essa resposta é simples: são os filmes de ação estrelados por grandes nomes do cinema que tem violência gratuita, roteiros fracos e cheios de furos e com muitos tiros.

E mesmo ruins desse jeito, vale a pena rever todos.

Por isso, pegue sua Uzi e escolha seu filme:

O Grande Dragão Branco5 – O Grande Dragão Branco (Bloodsport / 1988)

O filme conta a história de Frank Dux (Jean-Claude Van Damme), um americano que se torna lutador de Ninjutsu, que vai participar de um torneio secreto de artes marciais chamado Kumite.

Por mais bizarra que possa parecer, a história deste filme é real. E ele se tornou inspiração para diversos outros filmes sobre artes marciais.

Também vale destacar que este foi o primeiro sucesso de Van Damme no cinema americano.

Massacre no Bairro Japones4 – Massacre no Bairro Japonês (Showdown in Little Tokyo / 1991)

Este filme conta com a dupla Dolph Lundgren e Brandon Lee, como dois policiais que decidem acabar com um braço da Yakuza.

As cenas de ação misturam muitos tiros e artes marciais. E a química da dupla Lundgren / Lee funcionou muito bem.

É o primeiro filme americano de Brandon Lee, que 3 anos mais tarde morreria durante as filmagens de O Corvo.

Comando para Matar3 – Comando para Matar (Commando / 1985)

Estrelado por Arnold Schwazenegger no papel do Cel. John Matrix, um ex-militar que tem que salvar a sua filha de perigosos terroristas que exigem que ele derrube o governo de um pequeno país sul-americano.

O roteiro só não tem mais furos que os erros de continuidade.

Mas continua sendo um dos maiores clássicos do Governator.

Stallone Cobra2 – Stallone Cobra (Cobra / 1986)

Marion Cobretti (Sylvester Stallone) é um policial que não se importa em usar de todas as maneiras para acabar com o crime.

A frase “você é uma doença e eu sou a cura” marcou o filme. E Sly não precisou fazer nenhuma força para interpretar um policial duro e violento.

E não precisa se preocupar com a história. Ela não existe.

Duro de Matar1 – Duro de Matar (Die Hard / 1988)

A história de John McClane (Bruce Willis) é bem comum no cinema: policial de NY que está na hora errada e no lugar errado. Ele está em LA para visitar a ex-esposa no Natal, mas sem querer se vê no meio de um grupo de terroristas, que querem assaltar o prédio.

O primeiro sucesso na carreira de Willis se tornou um marco na história do cinema de ação, mostrando um personagem comum, que sangra e reclama da vida.

Além de uma boa história, conta com uma excelente atuação de Willis e tem na direção John McTiernan, um dos maiores nomes do cinema de ação da atualidade.

MENÇÃO HONROSA

48 Horas (48 Hrs / 1982) e Aventureiros do Bairro Proibido (Big Trouble in Little China / 1986) não podem ficar de fora desta lista.

48 HorasEm 48 Horas temos a dupla Nick Nolte e Eddie Murphy, como um policial (Nolte) e um presidiário (Murphy) que se juntam para encontrar um assassino de policiais.

É um dos primeiros filmes de Murphy e ajudou a alavancar sua carreira no cinema.

Os Aventureiros do Bairro ProibidoE Aventureiros do Bairro Proibido é estrelado por Kurt Russell e dirigido por John Carpenter.

O filme conta a história de Jack Burton (Russell), que se junta a Wang Chi (Dennis Dun) para resgatarem suas namoradas sequestradas por uma gangue chinesa liderada pelo feiticeiro Lo Pan.

Apesar de ter sido um fracasso comercial, se tornou cult, influenciando não só o cinema mas a indústria de videogames também: o personagem Raiden, do jogo Mortal Kombat foi baseado em um dos membros da gangue chinesa que sequestra a namorada de Jack Burton.

Como falei, qualquer um destes filmes vale a pena. Pode ir sem medo.

Galera, vou aproveitar este final de ano para descansar. Desejo a todos um Feliz Natal e um 2015 melhor do que 2014.

A gente se encontra aqui de novo em fevereiro.

Abraços!

@guimaraesedu

A Dona da Poltrona: Star Wars

A Dona da Poltrona: Star Wars

Olá, Geeks cinéfilos!!

 

Essa semana A Dona da Poltrona vai falar da saga Star Wars. O novo trailer de Star Wars episódio VII – O Despertar da Força foi o mais visto no youtube até agora. Quem é geek mesmo, é fã de Star Wars. Eu tenho todos os DVDs num box épico que até a minha irma caçula já tentou afanar. Vou aproveitar para falar dos meus filmes preferidos.

Bem, Star Wars marcou a minha vida. Star Wars IV, Uma Nova Esperança eu vi em 1982 na Cultura Inglesa. Ao invés de gostar mais do Luke, eu preferia o Han Solo, vivido por Harrison Ford. Esse filme é muito bom, mas Star Wars V, O Império Contra-ataca consegue ser melhor ainda. Uma das poucas sequências em que o segundo filme supera o primeiro. Perdi a conta das vezes em que eu assisti.  Todas as vezes que a música maravilhosa de John Williams entrava, era um arrepio só. O aprendizado com o mestre Yoda é a melhor parte do filme porque ali você mergulha nos segredos de toda a saga. Outra parte boa é o envolvimento da princesa Leia e de Han, que não param de brigar, mas já se evidencia que, no fundo, se amam.

Achei Stars Wars, o Retorno de Jedi bom, apenas. Mas também vi muitas vezes. A melhor parte é a do fim, quando aparece o Darth Vader jovem junto a Mestre Ken Wan Kinobi. Essa parte é muito linda. A revelação de que Leia e Luke são irmãos também.

Da safra nova, que acabaram virando os primeiros, eu me apaixonei por Hayden Christensen, o Anakin, futuro Darth Vader. Desses, eu gostei mais de A Vingança dos Sith. O amor entre Padmé e Anakin é lindo. Ela é muito mais velha que ele e ela praticamente se declara, numa das cenas mais lindas do cinema. Eu não tenho coragem, mas acho bonito e corajoso a mulher tomar a iniciativa. Entendo que A Ameaça Fantasma é o mais mediano dos filmes. A Guerra dos Clones matou a saudade de milhões de fãs, sedentos em ver as aventuras estelares de volta. O filme é do gênero ficção científica. Interessante é ver os bastidores dos primeiros filmes porque havia pouquíssimos recursos tecnológicos na época. George Lucas tirou leite de pedra.

Em 2012, a Walt Disney Company comprou a Lucas Films e vai lançar o Star Wars VII em 2015. Uma das maiores injustiças da Academia Cinematográfica de Hollywood foi Star Wars não ter ganho o Oscar de Melhor Filme. Só ganhou prêmios técnicos.

Há vários paralelos nas temáticas: as relações entre pais e filhos, as mocinhas em perigo mas que não são bobas como as princesas dos contos de fadas, as histórias de amor que persistem com as adversidades. Além de elementos filosóficos de valorização do seu eu e autoconfiança. Sem contar a abordagem da dominação do medo e da ansiedade. A raiva contida e o medo de Anakin o levam a tomar o caminho do outro lado da Força e se tornar um vilão. Ele acaba se redimindo no final por amor ao filho. A compaixão salva tanto Luke, quanto Anakin, o que aproxima o filme do budismo, mas George Lucas nunca confirmou isso. Talvez seja mais uma lenda urbana.

As histórias parecem previsíveis, mas tocaram os corações de muitos fãs. Aguardemos o novo Star Wars.

Que a Força esteja com você!

Grande abraço,

Anna Barros.

Indicados ao Globo de Ouro

Indicados ao Globo de Ouro

 

George Clooney ganhará o prêmio Cecil B. de Mille.

Os indicados ao Globo de Ouro são:

Melhor filme – Drama
“Boyhood”
“Foxcatcher”
“O jogo da imitação”
“Selma”
“A teoria de tudo”
Melhor filme – Comédia ou musical
“Birdman”
“O grande hotel Budapeste”
“Caminhos da floresta”
“Pride
“Um santo vizinho”

Melhor atriz – Drama
Jennifer Aniston (“Cake”)
Felicity Jones (“A teoria de tudo”)
Julianne Moore (“Still Alice”)
Rosamund Pike (“Garota exemplar”)
Reese Witherspoon (“Livre”)

Melhor ator – Drama
Steve Carell (“Foxcatcher”)
Benedict Cumberbatch (“O jogo da imitação”)
Jake Gyllenhaal (“O abutre”)
David Oyelowo (“Selma”)
Eddie Redmayne (“A teoria de tudo”)

Melhor atriz – Comédia ou musical
Amy Adams (“Big eyes”)
Emily Blunt (“Caminhos da floresta”)
Helen Mirren (“A 100 passos de um sonho”)
Julianne Moore (“Mapa para as estrelas”)
Quvenzhané Wallis (“Annie”)

Melhor ator – Comédia ou musical
Ralph Fiennes (“O grande hotel Budapeste”)
Michael Keaton (“Birdman”)
Bill Murray (“Um santo vizinho”)
Joaquin Phoenix (“Vício inerente”)
Christoph Waltz (“Big eyes”)

Melhor ator coadjuvante
Robert Duvall (“O juiz”)
Ethan Hawke (“Boyhood”)
Edward Norton (“Birdman”)
Mark Ruffalo (“Foxcatcher”)
J.K. Simmons (Whiplash”)

Melhor atriz coadjuvante
Patricia Arquette (“Boyhood”)
Jessica Chastain (“A Most Violent Year”)
Keira Knightley (“O jogo da imitação”)
Emma Stone (“Birdman”)
Meryl Streep (“Caminhos da floresta”)

Melhor diretor
Wes Anderson (“O grande hotel Budapeste”)
Ava Duvernay (“Selma”)
David Fincher (“Garota exemplar”)
Alejandro González Iñárritu (“Birdman”)
Richard Linklater (“Boyhood”)

Melhor roteiro
Wes Anderson (“O grande hotel Budapeste”)
Gillyan Flinn (“Garota exemplar”)
Alejandro González Iñárritu (“Birdman”)
Richard Linklater (“Boyhood”)
Graham Moore (“O jogo da imitação”)

Melhor animação
“Operação Big Hero”
“Festa no céu”
“Os Boxtrolls”
“Uma aventura Lego”
“Como treinar seu dragão 2”

Melhor filme estrangeiro
“Força Maior” (Suécia)
“Gett” (Israel, Alemanha, França)
“Ida” (Polônia)
“Leviatã” (Rússia)
“Tangerines” (Estônia)

Melhor trilha original
Johann Johannsson – “A teoria de tudo”
Alexandre Desplat – “O jogo da imitação”
Trent Reznor & Atticus Ross – “Garota exemplar”
Antonio Sanchez – “Birdman”
Hans Zimmer – “Interestelar”

Melhor canção original
“Big Eyes” – “Big Eyes” (Lana Del Ray)
“Glory” – “Selma” (John Legend, COmmon)
“Mercy Is” – “Noé” (Patty SMith, Lenny kaye)
“Opportunity” – “Annie”
“Yellow Flicker Beat” – “Jogos Vorazes: A esperança – Parte 1” (Lorde)

TV

Melhor série de TV – Drama
“The affair”
“Downton Abbey”
“Game of thrones”
“The good wife”
“House of cards”

Melhor série de TV – Musical ou comédia
“Girls”
“Jane the virgin”
“Orange is the new black”
“Silicon valley”
“Transparent”

Melhor atriz em série de TV – Drama
Claire Danes (“Homeland”)
Viola Davis (“How to get away with murder”)
Julianna Margulies (“The good wife”)
Ruth Wilson (“The affair”)
Robin Wright (“House of cards”)

Melhor ator em série de TV – Drama
Clive Owen (“The Knick”)
Liev Schreiber (“Ray Donovan”)
Kevin Spacey (“House of cards”)
James Spader (“The blacklist”)
Dominic West (“The affair”)

Melhor atriz em série de TV – Comédia ou musical
Lena Dunham (“Girls”)
Edie Falco (“Nurse Jackie”)
Julia Louis-Dreyfus (“veep”)
Gina Rodriguez (“Jane the virgin”)
Taylor Schilling (“Orange is the new black”)

Melhor ator em série TV – Comédia ou musical
Louis C.K. (“Louie”)
Don Cheadle (“House of lies”)
Ricky Gervais (“Derek”)
William H. Macy (“Shameless”)
Jeffrey Tambor (“Transparent”)

Melhor minissérie ou filme para TV
“Fargo”
“The Missing”
“The normal heart”
“Olive Kitteridge”
“True detective”

Melhor atriz em minissérie ou filme para a TV
Maggie Gyllenhaal (“The honorable woman”)
Jessica Lange (“American horror story”)
Frances Mcdormand (“Olive Kitteridge”)
Frances O’Connor (“The missing”)
Allison Tolman (“Fargo”)

Melhor ator em minissérie ou filme para a TV
Martin Freeman (“Fargo”)
Woody Harrelson (“True detective”)
Matthew McConaughey (“True detective”)
Mark Ruffalo (“The normal heart”)
Bob Thornton (“Fargo”)

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie ou filme para TV
Uzo Aduba (“Orange is the new black”)
Kathy Bates (“American horror story”)
Joanne Froggatt (“Downton Abbey”)
Allison Janney (“Mom”)
Michelle Monaghan (“True detective”)

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie ou filme para a TV
Matt Bomer (“The normal heart”)
Alan Cumming (“The good wife”)
Colin Hanks (“Fargo”)
Bill Murray (“Olive Kitteridge”)
Jon Voight (“Ray Donovan”)

 

Crédito da foto: Divulgação

Martin Freeman em cena da série 'Fargo' (Foto: Divulgação)