Literacine: Sally Lockheart e o Mistério do Rubi/Arita Souza

Literacine: Sally Lockheart e o Mistério do Rubi/Arita Souza

Crédito da foto: Reprodução da Internet.
Crédito da foto: Reprodução da Internet.

Sally Lockhart e o Mistério do Rubi

Philip Pullman – Editora Objetiva

Na busca de pistas para solucionar o mistério da morte do pai, Sally Lockhart, uma jovem menina de dezesseis anos, que nunca freqüentou a escola, detentora de uma personalidade  além de sua idade, nada presa as formalidades femininas de sua época, aventura-se no submundo assombroso de Londres do tempo da rainha Vitória, que reinou na Inglaterra de 1837 a 1901.
Ela procura informações sobre a obscura sociedade secreta denominada “As sete bênçãos”. Nesta busca, ao dizer estas três palavras “As sete bênçãos”, a adolescente Sally Lockhart acaba de matar um homem. Não com uma arma, apesar de estar com uma pistola e possuir a coragem de usá-la. Sally matou Sr. Higgs com apenas três palavras. A jovem ainda não sabe o significado delas, nem por que o colega de trabalho de seu pai, morto em um naufrágio em alto mar, literalmente morreu de medo quando as ouviu.

Em busca de pistas, Sally se aventura no submundo sombrio da capital inglesa do século XIX, ambiente este que não era nada fácil para nossa heroína, que se diferenciava em muitos aspectos das meninas e seus padrões de comportamento da época. Sally nunca foi a escola, mas demonstrava muita facilidade com contabilidade (oficio aprendido com seu pai nas inúmeras viagens que fez em sua Companhia Marítima) e trato com os negócios.

Dali  para a frente, esta jovem se vê envolvida numa trama cheia de aventuras e vilões, que sem piedade, buscam por uma jóia rara, que no passado determinou a história de vida de nossa personagem. Perseguida por vilões, esta mocinha intrépida acaba revelando dois mistérios, e descobre que ela mesma é a chave para ambos.

A BBC fez uma produção significativa adaptando este livro de  Philip Pullman para um seriado de Tv. Não houve, até o momento, nenhuma manifestação da emissora em dar continuidade a esta série. Os episódios que foram ao ar, seguem a narrativa do autor, caprichando bem no figurino e cenários.

Sally e a Maldição do Rubi é o primeiro dos quatro volumes da série Um mistério de Sally Lockhart e esta classificado no estilo Young Adult. Uma leitura simples e rápida, que irá encantar você!

 

 

 

 

Anúncios
Os mais bonitos do tapete vermelho do Oscar

Os mais bonitos do tapete vermelho do Oscar

Os mais gatos do tapete vermelho do Oscar foram: Bradley Cooper, Jared Leto e Channing Tatum. Bradley é bicampeão. Mesmo sem barba, estava lindo de viver!

Crédito da foto: Getty images.
Crédito da foto: Getty images.
Crédito da foto: Getty images
Crédito da foto: Getty images
chaning Tatum
Crédito da foto: Getty Images.

 

As mais bonitas da noite do Oscar

As mais bonitas da noite do Oscar

Ontem, dia 22 de fevereiro, foi a grande noite da indústria cinematográfica americana: a entrega dos Oscars. E vamos listar as mulheres mais elegantes nessa festa.

Em primeiro lugar, Rosamund Pike, que concorria à Melhor Atriz, por Garota Exemplar.

Crédito da foto: Reprodução da Internet.
Crédito da foto: Reprodução da Internet.

Em segundo lugar, Jennifer Aniston que foi esnobada pela Academia por seu desempenho em Cake.

 

Crédito da foto: Reprodução da Internet.
Crédito da foto: Reprodução da Internet.

Em terceiro lugar, Gwyneth Paltrow.

 

Crédito da foto: Reprodução da Internet.
Crédito da foto: Reprodução da Internet.
And the Oscar goes to… Edição 87 do Oscar

And the Oscar goes to… Edição 87 do Oscar

 

Crédito da foto: Reprodução da Internet.
Crédito da foto: Reprodução da Internet.

A cerimônia da 87ª edição do Oscar consagrou os filmes Birdman e Grand Hotel Budapeste, cada um com quatro estatuetas. E deixou Boyhood como o grande perdedor da noite, talvez o mais injustiçado, mas de maneira leve. nunca se viu uma Academia voltada para os filmes independentes, de poucos recursos e voltados para ótimas histórias. o único de um grande estúdio era Sniper americano e também campeão de bilheteria nos Estados Unidos e no mundo todo.

Foi uma grande celebração dos atores onde imperou a emoção de Eddie Redmayne ao buscar o seu Oscar e também na hora da canção Glory, do filme Selma, cantada e ovacionada pela plateia de pé.

Os melhores discursos foram de Patricia Arquette pedindo a igualdade de cachês entre homens e mulheres e o de Julianne Moore que exaltou a família e ressaltou que quem ganha o Oscar rejuvenesce cinco anos.

Outro grande momento foi a performance da polêmica cantora Lady Gaga que contou os grandes sucessos de A Noviça Rebelde que celebrou 50 anos e levou cinco Oscars na ocasião de seu lançamento.

O tapete vermelho esteve marcado por mulheres elegantíssimas com destaque para o vermelho de Rosamund Pike e o branco com detalhes vermelhos, de Julianne Moore. Os homens também estão muito elegantes com destaque para Bradley Cooper, Michael Keaton e o terno azul irreverente de Jared Leto.

Melhor Filme: Birdman

Melhor Diretor: Alejandro Inarritu

Melhor Atriz: Juliane Moore por Still Alice

Melhor Ator: Eddie Redmayne por A Teoria de Tudo

Melhor Atriz Coadjuvante: patricia Arquette

Melhor Ator Coadjuvante: JK Simmons

Melhor Filme de Animação: Big Hero 6

Melhor Canção Original: Glory

Melhor Roteiro Original: Birdman

Melhor Fotografia: Birdman

Melhor Roteiro Adaptado: O Jogo da Imitação

Melhor Trilha sonora original: Grand Hotel Budapeste

Melhor Filme Estrangeiro: Ida, da Polônia

Melhor Documentário: Citizenfour

Melhor Montagem: Whiplash

Melhor Figurino: Grand Hotel Budapeste

Melhor Maquiagem e  Cabelo: Grand Hotel Budapeste

Melhor Design de Produção: Grand Hotel Budapeste

Melhor Mixagem de Som: Whiplash

Melhor Edição de Som: Sniper americano

Melhor Curta-metragem: The phone call

Melhor animação em Curta-metragem: Feast

Melhor documentário em curta-metragem: Crisis Hotline: Veterans Press 1

 

 

Os vencedores da Framboesa de Ouro 2015

Os vencedores da Framboesa de Ouro 2015

Salve galera.

E aconteceu ontem a maior premiação da indústria cinematográfica mundial: A Framboesa de Ouro.

Framboesa 2015

O maior vencedor da noite foi Kirk Cameron’s Saving Christimas, que é um filme que provavelmente nunca vai chegar por aqui. Ele desbancou a forte concorrência de Transformers: A Era da Extinção, Hercules e Tartarugas Ninjas. Pelo menos Michael Bay conseguiu seu prêmio mais do que merecido de Pior Diretor.

E como é de costume, vamos aos meus palpites, os vencedores e alguns comentários.

 

PIOR FILME

saving christmas

Saving Christmas (Vencedor)

O Apocalipse

Hércules

As Tartarugas Ninja

Transformers: A Era da Extinção (Meu palpite)

– Venceu mais um daqueles filmes chatos e bestas que são produzidos a toneladas por Hollywood. 

PIOR ATOR

kirk cameron

Nicolas Cage – O Apocalipse (Meu palpite)

Kirk Cameron – Saving Christmas (Vencedor)

Kellan Lutz – Hércules

Seth MacFarlane – Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola

Adam Sandler – Juntos e Misturados

– Mais um prêmio para um filme que (graças a Deus) não chegou ao Brasil.

PIOR ATRIZ

Cameron Diaz

Drew Barrymore – Juntos e Misturados (Meu palpite)

Cameron Diaz – Mulheres ao Ataque e Sex Tape: Perdido na Nuvem (Vencedora)

Melissa McCarthy – Tammy

Charlize Theron – Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola

Gaia Weiss – Hércules

– Cameron Diaz é uma excelente atriz que está se especializando em fazer comédias chatas e sem graça. 

PIOR ATRIZ COADJUVANTE

Megan Fox

Cameron Diaz – Annie

Megan Fox – As Tartarugas Ninja (Meu palpite e Vencedora)

Nicola Peltz – Transformers: A Era da Extinção

Brigitte Ridenour – Saving Christmas

Susan Sarandon -Tammy

– Megan Fox nunca foi uma excelente atriz. E trabalhar com Michael Bay não está ajudando muito.

PIOR ATOR COADJUVANTE

Kelsey Grammer

Mel Gibson – Os Mercenários 3 (Meu palpate)

Kelsey Grammer – Os Mercenários 3, A Lenda de Oz, Think Like a Man Too e Transformers: A Era da Extinção (Vencedor)

Shaquille O’Neal – Juntos e Misturados

Arnold Schwarzenegger – Os Mercenários 3

Kiefer Sutherland – Pompéia

– Vou criar uma campanha: Kelsey Grammer volte a fazer sitcons na TV!

PIOR DIRETOR

Michael Bay

Michael Bay – Transformers: A Era da Extinção (Meu palpite e Vencedor)

Darren Doane – Saving Christmas

Renny Harlin – Hércules

Jonathan Liebesman – As Tartarugas Ninja

Seth MacFarlane – Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola

– Eu já sabia!

PIOR DUPLA OU GRUPO EM CENA

kirk cameron ego

Qualquer robô & qualquer ator – Transformers: A Era da Extinção (Meu palpite)

Kirk Cameron e seu ego – Kirk Cameron’s Saving Christmas (Vencedor)

Cameron Diaz & Jason Segel – Sex Tape: Perdido na Núvem

Kellan Lutz e seu abdomen, peitoral ou glúteo – Hércules

Seth McFarland & Charlize Theron – Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola

– Um filme que vai conseguir estragar seu Natal. 

PIOR ROTEIRO

saving christmas banner

Saving Christmas (Vencedor)

Apocalipse

Sex Tape: Perdido na Núvem

As Tartarugas Ninja (Meu palpite)

Transformers: A Era da Extinção

– Por mais que eu ache os roteiros de Tartarugas Ninjas ou de Transformers ruins, admito que Saving Christimas é péssimo. 

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA

Annie

Annie (vencedor)

Atlas Shrugged #3: Who Is John Galt?

Hercules

As Tartarugas Ninja (Meu Palpite)

Transformers: A Era da Extinção

– Ainda considero Tartarugas Ninja pior. Até porque Annie é o tipo de filme que passa despercebido. Eu só fique sabendo da produção dele porque ele foi vazado no escândalo da Sony. 

PRÊMIO FRAMBOESA DE REDENÇÃO

ben affleck

Ben Affleck – de Contato de Risco até Argo e Garota Exemplar (Meu palpite e Vencedor)

Jennifer Aniston – de quatro framboesas de ouro a Cake: Uma Razão Para Viver

Mike Myers – de O Guru do Amor à direção de Supermensch

Keanu Reeves – de seis framboesas de ouro a De Volta ao Jogo

Kristen Stewart – de seis framboesas de ouro por Crepúsculo até  Camp X-Ray

– Ben Affleck realmente se redimiu de muita coisa ruim que ele fez. Prêmio mais do que merecido.

@guimaraesedu

Maratona do Oscar: Leviatã/Anna Barros

Maratona do Oscar: Leviatã/Anna Barros

Crédito da foto: Reprodução da Internet.
Crédito da foto: Reprodução da Internet.

Temos um concorrente à altura de Relatos Selvagens e Ida: Leviatã. O filme russo tem grandes chances de levar a estatueta de Melhor Filme Estrangeiro, apesar da nossa torcida pelos hermanos. O Globo de Ouro ele já levou.

O filme é crítico com o governo russo e seus trâmites como burocracia e golpes sujos para conseguir o que quer através do drama de um homem que vê sua propriedade em risco porque o prefeito quer desapropriá-la ou comprá-la para construir algo maior ali.

O pai de família, Kolya, recorre a um advogado amigo de Moscou que tenta a todo custo que ele ganhe a causa. Só que o advogado se envolve com a esposa dele. Já havia ali um drama familiar porque seu filho Roma não gosta da mulher e sempre a repele. Com a descoberta da traição após um churrasco de aniversário de um amigo, o drama só tende a aumentar.

Lilya pensa em deixar Kolya, mas o advogado não deixa. O prefeito corrupto acaba por dar uma surra nele e ele vai embora e larga o caso de Kolya.

É notório no filme também as críticas à Igreja pois o prefeito é um cristão ortodoxo devoto, que vai à missa e comunga. Também a fuga dos personagens no álcool, especificamente a vodka. E o contraste do que virou a Rússia de Putin hoje: navios quebrados, carcaças de animais, trilhos de trens desfeitos. E, mesmo assim, há toda a beleza das paisagens naturais do Ártico, perto do Mar de Barrents. O filme também deveria concorrer à fotografia.

Há um paralelo da trajetória de Kolya com a história bíblica de Jó. Quando ele encontra o padre local na venda onde ele costuma fazer compras e o questiona sobre Deus e a Fé já que a mulher dele morreu e toda a tragédia se abateu sobre a família dele. O padre cita Jó como uma ratificação dessa metáfora com a vida de paciência e provação de Kolya. E cita também o monstro Leviatã nessa abordagem. O título do filme Leviatã se refere ao monstro marítimo que aparece na história de Jó e que foi retratado pelo economista Thomas Hobbes como sendo o Estado: soberano, absoluto e imponente.

Interessante que no churrasco à beira do lago em que Pasha, o policial amigo de Kolya, mostra os quadros de Lênin, Gorbatchev e outros ícones russos. Menos Putin, o atual presidente. E o aniversariante diz que ele devia ter o quadro de Yeltsin, naquele arsenal.

No final, Lilya é assassinada e seu corpo jogado no mar: golpeado na cabeça e estuprada. E acusam Kolya do assassinato pois encontram o martelo usado no galpão da casa dele. Era tudo que o prefeito queria: que ele fosse condenado, o que aconteceu, sem provas contundentes, e ficasse quinze anos na prisão.

O lugar onde era a casa de Kolya vira uma igreja ortodoxa e o prefeito tem planos de fazer um refeitório nas redondezas e ampliar o local.

O diretor Andrey Zvyangsey foi muito feliz na concepção de seu filme e ele é favoritíssimo a levar a estatueta para a Rússia.

Super recomendo a todos!

Maratona do Oscar: Selma/Alexandre Bragança

Maratona do Oscar: Selma/Alexandre Bragança

Alexandre Bragança fez a resenha do último filme, concorrente ao Oscar de Melhor Filme da nossa maratona. Ele é editor do site Pipoca Gigante. Vamos á resenha!

Crédito da foto: Reprodução da Internet.
Crédito da foto: Reprodução da Internet.

A estreante em longa metragens Ava DuVerney chega esta semana com “Selma – Uma Luta Pela Igualdade”, produção nomeada ao Oscar de melhor filme e melhor canção e que, de quebra, mereceria também uma indicação na categoria melhor ator, ainda que infelizmente não tenha sido desta vez.

“Selma – Uma Luta Pela Liberdade” conta a história por trás da marcha liderada por Martin Luther King Jr. em 1965 pelo direito de voto aos negros. Como parte da campanha, manifestantes pacifistas percorreram a pé os quase 76 quilômetros entre a cidade de Selma, no interior do Alabama, até a capital do estado, Montgomery.

O longa tem seu ponto forte no elenco. Com cada vez mais destaque em Hollywood por suas excelentes atuações (“Interestelar“, “O Mordomo da Casa Branca“, “Jack Reacher: O Último Tiro” e “Obsessão“), David Oyelowo praticamente carrega o filme nas costas. Responsável por dar vida a Martin Luther King Jr., Oyelowo imprime na tela detalhes gestuais, de impostação da voz e de caracterização que chegam a causar arrepio em alguns momentos.

O ator certamente merecia uma indicação. Quem também chama atenção, apesar do pouco tempo de tela, é o sempre ótimo Tim Roth(“A Negociação“). Roth interpreta o repugnante governador racista George Wallace e, com sotaque sulista carregado e atitudes e falas execráveis, Roth diferencia esse de qualquer outro personagem de sua carreira, realizando mais um notável trabalho.

Oprah Winfrey, que também produz o longa ao lado de Brad Pitt, encarna uma cidadã decidida a se registrar para votar. Suas poucas cenas são excelentes, com destaque maior para sua primeira participação, quando dá um show de interpretação ao transmitir pelo olhar toda a dor e a humilhação sentidas na pele pelos oprimidos.

No aspecto técnico, a direção de fotografia se sobressai. Assim como em “Amor Fora da Lei“, Bradford Young entrega mais um excelente trabalho. Diferente do realizado anteriormente, aqui Young utiliza a fotografia no formato digital.

Ainda assim, consegue manter a sua assinatura: trabalha nas baixas luzes, o que exalta ainda mais a sua perícia técnica. Afinal, se fotografar negros em baixas luzes já apresenta desafios em película (devido ao pouco contraste), no digital as complicações crescem exponencialmente.

Nada que impeça Bradford de alcançar cenas de sublime beleza fotográfica, como nas sequências em que Luther King está preso com seu amigo Ralph (Colman Domingo) e, posteriormente, recebe a visita de sua esposa Coretta (Carmen Ejogo).

Todavia, a condução narrativa da diretora Ava DuVernay e o roteiro desenvolvido pelo também estreante Paul Webb deixam o filme com o ritmo um tanto lento, fazendo a projeção parecer levar mais tempo do que de fato leva. Ainda assim, “Selma – Uma Luta Pela Liberdade” é o tipo de produção que, apesar de contar uma história situada em 1965, infelizmente ainda ecoa fortemente nos dias de hoje e precisa ser assistida.