Maratona do Oscar: A Grande Aposta / Por Gabriel Araújo

Maratona do Oscar: A Grande Aposta / Por Gabriel Araújo

Por: Gabriel Araújo (@gabriel_araujo1)

The_Big_Short_teaser_posterSessão de Matinê: “A Grande Aposta”

Um filme classificado como dramático, sustentado em comédia e desenhado como documentário. Não é nada fácil construir um longa com tantos predicados, mas Adam McKay conseguiu. “A Grande Aposta” pode ser entediante e de difícil compreensão para alguns, mas se caracteriza, na verdade, como um importante filme crítico. Talvez, a explicação que faltava para um momento de aflição mundial.

Inspirado em fatos reais, com base no livro “A Jogada do Século”, de Michael Lewis, “A Grande Aposta” retrata a antecipação em ao menos três anos da gigantesca crise no mercado imobiliário norte-americano, que explodiu em 2008, por parte de investidores que, observando a ambição, a má-fé, as fraudes pelos que deveriam evitá-lo, previram o estouro da bolha.

Apostando em vários núcleos, visões distintas de cada um dos que jogaram contra o sistema bancário, os produtores acertam. A cada notícia, uma reação diferente por parte dos protagonistas. Há o ambicioso, o minimalista, os preocupados, os que desejam… Características diversificadas para uma situação comum, doses que fazem de quase todos os atores personagens com importância total e direta dentro dos fatos – e que, curiosamente, acabam tendo de torcer para que a crise ocorra e milhares de pessoas percam empregos e casas para que suas apostas sejam corretas.

Christian Bale faz o isolado problemático que descobriu o que estava por vir; Ryan Gosling, o ambicioso investidor que foge dos ideais de sua empresa para seu bem próprio – um louco por dinheiro; Steve Carrell, um nervoso homem, ciente das coisas e consternado com as consequências da jogada, algo que também se aplica à personagem de Brad Pitt; John Magaro e Fin Wittrock, os jovens com desejo pelo lucro.

Gosling, que apresentou a causa aos outros, é subaproveitado no filme. Poderia aparecer mais, assim como Bale, que surge muito bem como Michael Burry, em uma boa interpretação de uma personagem que é muito provavelmente a mais humana do filme, e que tinha condições, como o homem que descobriu o imperceptível, de ganhar maior importância. Um coadjuvante com peso de protagonista.

Quem brilha, mesmo, é Steve Carrell. Um mago de interpretações diversificadas, Carrell já provou que pode ser tanto um chefe de escritório numa comédia para a TV quanto um estressado e preocupado investidor no cinema. Uma atuação brilhante, incorporando profundamente a personagem – que o rendeu uma indicação ao Globo de Ouro.

O nome por trás das telas também merece créditos. Adam McKay dirige de maneira sublime um filme teoricamente complicado. Mostra como é fundamental um bom diretor e incorpora, num drama, as doses de comédia que o alavancaram com filmes como “O Âncora – A Lenda de Ron Burgundy”. Merecidamente, foi indicado ao Oscar de melhor diretor. Bom trabalho.

O longa está recheado de termos financeiros. Títulos hipotecários, CDSs, CDOs, securitização… O ‘economês’ parece ser o grande empecilho da película, algo definitivamente pouco atrativo, mas McKay consegue traduzi-lo – de maneira bem-humorada, aliás. São convocados para explicá-lo Selena Gomez, Anthony Bourdain, Richard Thaler e Margot Robbie – esta, que já esteve num excelente filme justamente com bases financeiras (“O Lobo de Wall Street”).

(Parêntese: Não parece ser totalmente justo, aliás, comparar “A Grande Aposta” ao filme de Martin Scorsese, que teve Leonardo DiCaprio como Jordan Belfort. São abordagens diferentes. Apesar de um ator se comunicar diretamente com o público ao longo de ambas as produções, as formas de apresentação são distintas, especialmente quando se trata da utilização, diferentemente do filme de Scorsese, de vários núcleos no longa de Adam McKay).

Ainda que haja a tradução de alguns dos termos econômicos, para muitas pessoas ainda pode ser algo difícil de se entender. Claro que o tato com tais expressões também é muito complicado, mas existe, sim, um abuso delas, o que torna o filme, em determinadas ocasiões, entediante – algo provocado também pelo excesso de “americanidade”, que pode incomodar. Muitos dos que não se acostumarem com a pegada já no início sofrerão para terminar a sessão – e alguns acabarão dormindo (ver alguém dormir numa sessão de cinema nunca deixa de ser decepcionante). Ou seja: mesmo tentando evitar todo tipo de sofrimento com os termos, ele acaba existindo.

Há de se destacar, ainda, a ótima trilha sonora da película. Sons do nível de Mastodon, Guns n’ Roses, Metallica, Gorillaz, Neil Young e Led Zeppelin embalam a produção, que ainda conta com a utilização de músicas da época em que os fatos ocorreram, como ‘Crazy’ (Gnarls Barkley) e ‘Money Maker’ (Ludacris, Pharrell Williams), para marcar o tempo.

A edição também é boa. Intervenções pontuais com frases como “A verdade é como a poesia. As pessoas não gostam de poesia” são bem interessantes, tal qual a apresentação de momentos do cenário mundial à época.

Por conta dos escorregões compreensíveis com a linguagem, “A Grande Aposta” não alcança a perfeição. Filme excepcional não deixa ninguém dormir. Mas, pelas interpretações muito boas, pela versatilidade da direção em um drama-comédia-documentário e pela ótima edição, merece ser visto e julgado de acordo com cada um. É uma ótima opção nos cinemas.

Nota: 4/5

Sinopse:
Michael Burry (Christian Bale) é o dono de uma empresa de médio porte, que decide investir muito dinheiro do fundo que coordena ao apostar que o sistema imobiliário nos Estados Unidos irá quebrar em breve. Tal decisão gera complicações junto aos investidores, já que nunca antes alguém havia apostado contra o sistema e levado vantagem. Ao saber destes investimentos, o corretor Jared Vennett (Ryan Gosling) percebe a oportunidade e passa a oferecê-la a seus clientes. Um deles é Mark Baum (Steve Carell), o dono de uma corretora que enfrenta problemas pessoais desde que seu irmão se suicidou. Paralelamente, dois iniciantes na Bolsa de Valores percebem que podem ganhar muito dinheiro ao apostar na crise imobiliária e, para tanto, pedem ajuda a um guru de Wall Street, Ben Rickert (Brad Pitt), que vive recluso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s