Poltrona Alternativa #01: Anomalisa

Poltrona Alternativa #01: Anomalisa

images (1)Por:  Arita Souza / Canal Dobradinha Literária

Michael Stone, pai de família e mestre de livros sobre atendimento ao consumidor,  chega à cidade de Cincinnati para palestrar. Stone parece alheio a tudo, as vozes que ouve têm todas o mesmo som, e mesmo as coisas mais triviais parecem cansativas e massantes, como por exemplo interagir com o taxista ou pedir comida no hotel.

O filme tem muitas camadas, aos poucos vamos desmembrando elementos que nos auxiliam a entender a profundidade emocional do longa e o artificialismo que o stop-motion ressalta nos causando  estranheza e até um mal estar.

Mover-se parece difícil para Michael Stone. De qualquer forma, a solução que ele encontra para mudar seu ritmo de vida é o adultério.

Screenshot_2016-02-07-21-25-47[1]

A crise existencial de Michael em Anomalisa não difere muito das dificuldades de interação de muitos personagens ja retratados no cinema como o de Nicolas Cage em Adaptação ou na produção Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças.

A repetição em si não é o problema, e sim a incapacidade de Kaufman como diretor (aqui, em parceria com o animador de stop-motion Duke Johnson) de desenvolver as muitas ideias que são os verdadeiros personagens de seus dramas feitos de freaks e neuroses. Não faltam premissas instigantes em Anomalisa, desde o comentário político sobre o governo Bush (o filme se passa há uma década, no ano em que Kaufman escreveu a peça em queAnomalisa se baseia) até o design que faz dos bonecos mortos-vivos (só no close-up extremo, que revela as texturas do boneco, ele ganha alguma vida) e do hotel um não-lugar suspenso da realidade.

images (2)

Mas em nenhum momento o filme substitui esse vazio por uma conclusão capaz de dar a Anomalisa um significado. O arco de Michael é uma grande introdução a um mal-estar contemporâneo, e a trama se encerra em plena construção, quando esse mal-estar é enfim diagnosticado (síndrome de Fregoli).

Anomalisa é um filme estadunidense de comédia-drama romântico em animação de 2015 dirigido por Charlie Kaufman e Duke Johnson. A obra, que tematiza a síndrome de Fregoli, foi apresentada originalmente em 4 de setembro de 2015 no Festival de Veneza e as vozes das personagens foram personalizadas por David Thewlis, Jennifer Jason Leigh e Tom Noonan. Ela concorre ao Oscar de melhor animação 2015.

Mas o que fazer com esse diagnóstico em mãos? Kaufman continua sendo um especialista em amplificar de forma surreal nossas angústias modernas, mas não necessariamente em narrá-las. Anomalisa poderia tirar vantagem de ser um pequeno drama intimista, sem as pretensões de discurso de Adaptação, mas mesmo reduzindo sua escala (literalmente, pelo stop-motion) Kaufman continua imobilizado pelo seu potencial.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s