Maratona do Oscar: Os oito odiados/Anna Barros

Maratona do Oscar: Os oito odiados/Anna Barros

os oito odiadosNão gosto muito dos filmes de Tarantino, talvez tenha gostado apenas de Pulp Fiction. Mas há quem goste. Esse, como sempre, mescla conflitos raciais e violência. Mas a impressão que se tem é que ele quer homenagear os faroestes de Sergio Leone, clássicos. A começar pela trilha sonora maravilhosa, pule de dez para ganhar o Oscar de Melhor Trilha, do maravilhoso Ennio Morricone. Não tem como não se transportar para os westerns italianos típicos.

No longa, que se passa alguns anos depois da Guerra Civil americana, um grupo de desconhecidos é obrigado a passar a noite em uma estalagem isolada durante uma nevasca. Entre os presentes estão os caçadores de recompensa Marquis Warren (Samuel L. Jackson) e John Ruth (Kurt Russell). Este último está transportando uma foragida da justiça, Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh), e logo desconfia que alguém no grupo está ali para libertá-la. Tarantino tem um dom para escolher elenco e dessa vez não foi diferente. A começar pelo sensacional desempenho de Jennifer Jason Leigh que a faz concorrer ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante.

Tarantino sempre abusa de metalingugaem em seus filmes e dessa vez fez citações aos grandes mistérios da escritora inglesa Agatha Christie e  de Sherlock Holmes, além de ter uma pitada de Robert Altman.

Todos Os Oito Odiados têm um histórico de matanças e outros crimes, mas cativam o espectador como só os anti-heróis tarantinescos são capazes. Além de nomes, eles têm apelidos, como O Caçador de Recompensas e A Prisioneira (um hábito do cineasta – personagens como Mr. White, Mr. Orange, A Noiva e Mamba Negra povoam o universo de pesadelo de Tarantino). A Prisoneira é muito espancada e vítima de violência de todos os personagens criando um clima pesado, sem ao menos se saber ao certo qual foi o crime que ela cometeu.

O filme lembra muito outro filme de Tarantino, Cães de Aluguel, de 1992.

Não é um grande filme, mas é banhado a muito sangue, outro traço típico de Tarantino, que gota de abusar de monólogos e narrativas que surpreendam o espectador por mais que seus filmes tenham sempre um lugar-comum e a presença constante de Samuel Lee Jackson cujo Major Marquis Warren é o verdadeiro protagonista.

Jennifer explora todo o seu potencial de pessoa fugitiva, mas ao mesmo tempo vítima dos demais, sem cair em caricatura ou maniqueímo. Seu desempenho é muito bom mas ela esbarra em atuações exuberantes de suas outras concorrentes como Alícia Vikander, Roone Mara e Kate Winslet.

A categoria é peso-pesado mas Os Oito Odiados entra para a filmografia de Jennifer com grande destaque.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s