Warner Bros divulga trailer eletrizante de ‘Kong: A Ilha da Caveira’. Confira!

Warner Bros divulga trailer eletrizante de ‘Kong: A Ilha da Caveira’. Confira!

kingkong-01

Por Cesar Augusto Mota

A Warner Bros Pictures acaba de divulgar o último trailer de ‘Kong: A Ilha da Caveira’, um filme de ação que promete ser eletrizante e com cenas que certamente vão tirar o fôlego da plateia.

A história se passa inicialmente no ano de 1971 e traz uma equipe de exploradores dispostos a se aventurar em uma ilha desconhecida, mas não sabem o que os aguardam e tampouco os perigos que vão ter de enfrentar.

Com direção de Jordan Vogt-Roberts, o elenco conta com nomes como Tom Hiddleston, Samuel L. Jackson, Brie Larson, Jason Mitchell, Corey Hawkins, Toby Kebbell, Tom Wilkinson, Terry Notary, John Goodman e John C. Reilly.

‘Kong: A Ilha da Caveira’ estreia nos cinemas brasileiros em 9 de março de 2017.

Confira o trailer final do filme abaixo:

Anúncios
Os Vencedores do Framboesa de Ouro 2017

Os Vencedores do Framboesa de Ouro 2017

Salve galera.

Depois de uma noite de gala, cheia de prêmios e pisadas na bola durante o Oscar 2017, vamos falar dos grandes vencedores do maior prêmio do cinema mundial: a Framboesa de Ouro 2017.

Framboesa-de-Ouro.jpg

Os grandes vencedores foram Batman vs Superman – A Origem da Justiça e Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party, cada um com 4 prêmios.

E o grande perdedor da noite acabou sendo Zoolander 2, com apenas uma Framboesa para levar para casa.

Destaque positivo ficou para Mel Gibson, que levou o Prêmio Redenção por Até o Último Homem.

Vamos a lista de vencedores e minhas avaliações.

 

Pior Filme

HillaryAmerica-640x480.jpg

Batman vs Superman: Origem da Justiça

Tirando o Atraso

Deuses do Egito

Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party (vencedor)

Independence Day: O Ressurgimento

Zoolander 2 (meu palpite)

– Acredito que a eleição presidencial americana tenha afetado mais a decisão dos jurados do Framboesa do que a Academia. Hillary’s America tinha a intenção de mostrar o lado podre do Partido Democrata e como eles planejavam dominar os Estados Unidos. Apesar das diversas teorias da conspiração que circulam o filme, alguns fatos históricos são interessantes. Mas ao final, você fica com a seguinte sensação: ou os Democratas são os maiores bandidos da política americana ou o diretor é um maluco que distorce os fatos para passar a mensagem que quer. É o famoso ame-o ou deixe-o.

 

Pior Ator

dinesh.jpg

Ben Affleck – Batman vs Superman: Origem da Justiça

Gerard Butler – Deuses do Egito / Invasão à Londres (meu palpite)

Henry Cavill – Batman vs Superman: Origem da Justiça

Robert de Niro – Tirando o Atraso

Dinesh D’Souza – Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party (vencedor)

Ben Stiller – Zoolander 2

– Como ator, Dinesh é muito bom repórter.

 

Pior Atriz

Becky Turner.jpg

Megan Fox – As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras (meu palpite)

Tyler Perry – Boo! A Madea Halloween

Julia Roberts – O Maior Amor do Mundo

Becky Turner – Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party (vencedora)

Naomi Watts – A Série Divergente: Convergente / Refém do Medo

Shailene Woodley – A Série Divergente: Convergente

– Novamente o documentário sobre Hillary vence os grandes favoritos para o prêmio.

 

Pior Atriz Coadjuvante

safe_image.php.jpg

Julianne Hough – Tirando o Atraso

Kate Hudson – O Maior Amor do Mundo

Aubrey Plaza – Tirando o Atraso

Jane Seymour – Cinquenta Tons de Preto (meu palpite)

Sela Ward – Independence Day: O Ressurgimento

Kristen Wiig – Zoolander 2 (vencedora)

– Única Framboesa de Zoolander 2. Admito que esperava mais deste filme. Ou menos.

 

Pior Ator Coadjuvante

1afdfcddffa0778a68100a5df6c5a59469bf572627966b809ed873ec09e66baa.jpg

Nicolas Cage – Snowden

Johnny Depp – Alice Através do Espelho

Will Ferrell – Zoolander 2

Jesse Eisenberg – Batman vs Superman: Origem da Justiça (meu palpite e vencedor)

Jared Leto – Esquadrão Suicida

Owen Wilson – Zoolander 2

– Talvez a única categoria onde era certa a vitória.

 

Pior Dupla em Cena

032416-Ben-Affleck-Henry-Cavill-2UP-LEAD.jpg

Ben Affleck e Henry Cavill – Batman vs Superman: Origem da Justiça (vencedor)

Qualquer dupla de deuses ou mortais – Deuses do Egito

Johnny Depp e a roupa vibrante volumosa – Alice Através do Espelho

O elenco inteiro de atores que já foram respeitados – Beleza Oculta

Tyler Perry e a mesma peruca velha – Boo! A Madea Halloween

Ben Stiller e Owen Wilson – Zoolander 2 (meu palpite)

– Apesar de ter ganhado o Prêmio Redenção faz pouco tempo, Ben Affleck voltou rapidamente à lista de vencedores do Framboesa.

 

Pior Diretor

http-%2F%2Fprod.static9.net.au%2F_%2Fmedia%2FNetwork%2FImages%2F2017%2F02%2F27%2F12%2F27%2Fraz-5.jpg

Dinesh D’Souza e Bruce Schooley – Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party (vencedor)

Roland Emmerich – Independence Day: O Ressurgimento

Tyler Perry – Boo! A Madea Halloween

Alex Proyas – Deuses do Egito

Zack Snyder – Batman vs Superman: Origem da Justiça

Ben Stiller – Zoolander 2 (meu palpite)

– Mesmo com uma forte concorrência, D’Souza venceu Snider e levou o prêmio.

 

Pior Pequel, Remake, Cópia ou Continuação

warner.jpeg

Alice Através do Espelho

Batman vs Superman: Origem da Justiça (vencedor)

Cinquenta Tons de Preto (meu palpite)

Independence Day: O Ressurgimento

As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras

Zoolander 2

– Mais um prêmio para a segunda maior decepção do ano da DC.

 

Pior Roteiro

batman-vs-superman-cartazes.jpg

Batman vs Superman: Origem da Justiça (vencedor)

Tirando o Atraso

Deuses do Egito

Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party

Independence Day: O Ressurgimento

Esquadrão Suicida (meu palpite)

– Apesar do furos e história fraca, ainda acho que Esquadrão Suicida não teve roteiro.

 

Prêmio Redenção

Mel-Gibson-9.jpg

Mel Gibson – Até o Último Homem

– Prêmio justo. Parece que Mel Gibson está voltando a trilhar o caminho dos bons filmes.

E para encerrar, já temos um forte concorrente para melhor filme do ano que vem: A Entrega do Oscar 2017. É um bom filme de suspense, com tons de humor e uma grande reviravolta na última cena, digna de M. Night Shyamalan.

Mas no final das contas, é bem patético.

Oscar 2017: ‘Moonlight’ surpreende e leva estatueta de melhor filme; Veja vencedores

Oscar 2017: ‘Moonlight’ surpreende e leva estatueta de melhor filme; Veja vencedores

'Moonlight', de Barry Jenkins, leva três prêmios no Oscar 2017.   (Crédito: Lucy Nicholson/Reuters)
‘Moonlight’, de Barry Jenkins, leva três prêmios no Oscar 2017. (Crédito: Lucy Nicholson/Reuters)
Realizado neste domingo no Teatro Dolby, em Los Angeles, a 89ª edição do Oscar foi marcada por uma premiação recheada de momentos inusitados, como as diversas ironias do apresentador Jimmy Kimmel ao presidente norte-americano Donald Trump, a presença de turistas no evento com direito a selfies e um erro no anúncio de melhor filme.

Responsável por conduzir a cerimônia, o apresentador Jimmy Kimmel foi um dos destaques da noite, seja pela interação com a plateia, por piadas feitas com os atores Matt Damon e Meryl Streep, mas também pelas alfinetadas a Donald Trump, presidente dos Estados Unidos. Em um dado momento da apresentação, Kimmel chegou a enviar um tweet a Trump e perguntou se ele ainda estava acordado, pois este ainda não havia mandado nenhuma mensagem durante o evento.

Outro fato que chamou a atenção do Oscar 2017 foi a entrada de turistas no Teatro Dolby durante a entrega das estatuetas. Sem saber que estavam em meio a maior premiação de Hollywood, os viajantes puderam interagir com os artistas, bem como tirar fotos com eles. Alguns alvos foram Mahershala Ali e Denzel Washington, que chegou a fazer um casamento simbólico de um casal.

Dentre os premiados, ‘La La Land-Cantando Estações’ foi o grande vencedor da noite, levando para casa 6 estatuetas, dentre elas a de melhor diretor, para Damien Chazelle, e melhor atriz, para Emma Stone. Viola Davis confirmou seu favoritismo e ganhou o prêmio de melhor atriz coadjuvante, já Casey Affleck foi apontado como melhor ator por sua atuação em ‘Manchester à Beira-Mar’.

Um dos momentos mais aguardados da premiação foi marcado por uma grande saia-justa. Os atores Warren Beatty e Faye Dunway, famosos pelo filme ‘Bonnie and Clyde’, anunciaram que ‘La La Land’ havia faturado o prêmio de melhor filme, mas erros na entrega e leitura dos envelopes provocaram uma enorme confusão. Após toda a equipe de ‘La La Land’ ter subido ao palco foi constatado que ‘Moonlight: Sob a Luz do Luar’ tinha sido o vencedor, sendo a informação corrigida em seguida por Jordan Horowitz, produtor de ‘La La Land’. A gafe foi comparada ao ocorrido no Miss Universo 2015, quando o apresentador Steve Harvey havia anunciado a Miss Colômbia como vencedora, mas na verdade havia sido a Miss Filipinas, erro causado por uma leitura errônea de Harvey.

Veja abaixo a relação completa com todos os vencedores do Oscar 2017.

Ator Coadjuvante

Mahershala Ali

Figurino
Colleen Atwood-Animais Fantásticos e Onde Habitam

Cabelo e Maquiagem
Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini e Christopher Nelson-Esquadrão Suicida

Documentário

O.J: Made in America

Edição de Som
Sylvain Bellemare-A Chegada

Mixagem de Som
Até o Último Homem

Atriz Coadjuvante
Viola Davis

Filme em Língua-Estrangeira
O Apartamento

Animação em Curta-Metragem

Piper

Animação
Zootopia

Direção de Arte
La La Land-Cantando Estações

Efeitos Visuais
Mogli-O Menino Lobo

Montagem
Até o Último Homem

Documentário de Curta-Metragem

Os Capacetes Brancos

Curta-Metragem
Sing

Fotografia
Linus Sandgren-La La Land

Trilha Sonora
Justin Hurwitz-La La Land

Canção Original
City of Stars-La La Land

Roteiro Original
Kenneth Lonergan-Manchester à Beira-Mar

Roteiro Adaptado
Barry Jenkins e Tarell Alvin McCraney-Moonlight

Direção
Damien Chazelle-La La Land

Ator
Casey Affleck-Manchester à Beira-Mar

Atriz
Emma Stone-La La Land

Filme
Moonlight: Sob a Luz do Luar

Por: Cesar Augusto Mota

Oscar 2017: Jimmy Kimmel rouba a cena e ironiza Trump durante cerimônia

Oscar 2017: Jimmy Kimmel rouba a cena e ironiza Trump durante cerimônia

1112648A 89ª edição do Academy Awards, realizado neste domingo em Los Angeles, Estados Unidos, teve uma abertura diferente. O tradicional monólogo do apresentador da cerimônia, este ano a cargo do comediante Jimmy Kimmel, deu lugar a uma apresentação musical. O cantor Justin Timberlake abriu o evento interpretando “Can’t Stop The Feeling”, canção presente em “Trolls”, que concorre ao prêmio de melhor animação. Timberlake fez a plateia ir ao delírio com sua música e coreografia antes do início da premiação.

Mas quem esperava uma apresentação recheada de piadas prontas, se enganou. Com irreverência e sem aliviar para ninguém, o comediante Jimmy Kimmel ironizou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e também aproveitou para dar uma indireta na própria Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que não contou com artistas negros entre os indicados na edição de 2016:

“Eu queria agradecer ao Donald Trump porque no ano passado se o Oscar parecia racista, agora a história é outra”.

Kimmel também destacou a presença da diversidade no evento, exaltando feitos históricos e fazendo claras referências a “Estrelas Além do Tempo” e “La La Land-Cantando Estações”, concorrentes a melhor filme.

“Antes os Oscars eram racistas, hoje os negros salvaram a NASA e os brancos salvaram o Jazz’

O apresentador elogiou todos os indicados e fez uma piada com Trump, exaltando a presença da atriz Meryl Streep no evento, indicada pela 20ª vez.

“Está aqui a incrivelmente supervalorizada Meryl Streep”, disse Kimmel, arrancando risadas da plateia e aplausos para Streep, com todos os convidados de pé.

Se a cerimônia do Oscar foi marcada inicialmente por discursos contra o atual presidente dos Estados Unidos, não podemos deixar de destacar o caráter democrático da edição de 2017 e dos grandes momentos de descontração proporcionados pelo apresentador, bastante inspirado, cativando a todos e sem perder o bom humor.

Por: Cesar Augusto Mota

Oscar 2017: Veja ordem de entrega das estatuetas neste domingo em LA

Oscar 2017: Veja ordem de entrega das estatuetas neste domingo em LA

2017-oscars-89th-academy-awardsDaqui a pouco, a partir das 21h, horário de Brasília, a TNT, emissora de TV por assinatura, começa a transmissão do Oscar 2017, a maior premiação de Hollywood. Dentre os indicados, “La La Land-Cantando Estações”, de Damien Chazelle, é o grande favorito, concorrendo a 14 estatuetas em 13 categorias, dentre eles os prêmios de melhor ator, atriz, filme, diretor e roteiro original.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulgou a ordem de entrega dos prêmios, e só conheceremos quem levou o Oscar de melhor filme no fim da cerimônia. Confira abaixo a ordem dos Oscars a serem entregues.

– Ator Coadjuvante
– Figurino
– Cabelo e Maquiagem
– Documentário
– Edição de Som
– Mixagem de Som
– Atriz Coadjuvante
– Filme em Língua-Estrangeira
– Animação em Curta-Metragem
– Animação
– Direção de Arte
– Efeitos Visuais
– Montagem
– Curta em Live-Action
– Fotografia
– Trilha Sonora
– Canção Original
– Roteiro Original
– Roteiro Adaptado
– Direção
– Ator
– Atriz
– Filme

c5n7g1jxqaayoxi

Por: Cesar Augusto Mota

Maratona Oscar: Apostas para o Oscar 2017/Anna Barros

Maratona Oscar: Apostas para o Oscar 2017/Anna Barros

la-la-land2Para mim, La la Land será  o grande vencedor da noite do Oscar 2017. Eis as minhas apostas para o domingo, dia 26, a grande noite do Cinema.

 

Melhor Filme
La La Land: Cantando Estações

Melhor Diretor
Damien Chazelle – La La Land: Cantando Estações

Melhor Atrzi
Emma Stone – La La Land: Cantando Estações

Melhor Ator
Casey Affleck – Manchester à Beira-Mar

Melhor Ator Coadjuvante
Mahershala Ali – Moonlight: Sob a Luz do Luar

Melhor Atriz Coadjuvante
Viola Davis – Um Limite Entre Nós

Melhor Roteiro Original
Damien Chazelle – La La Land: Cantando Estações

Melhor Roteiro Adaptado
August Wilson – Fences -Um Limite Entre Nós

Melhor Animação
Zootopia: Essa Cidade é o Bicho

Melhor Longa Estrangeiro
Toni Erdmann (Alemanha)

Melhor Canção Original
“City of Stars” | Música de Justin Hurwitz, canção de Benj Pasek e Justin Paul – La La Land: Cantando Estações

Melhor Fotografia
Linus Sandgren – La La Land: Cantando Estações

Maratona Oscar: Jackie/ Pablo Bazarello

Maratona Oscar: Jackie/ Pablo Bazarello

2420_capaQuando teve sua estreia no prestigiado Festival de Veneza, no início de setembro passado, Jackie, o novo filme do chileno Pablo Larraín, arrancou elogios da imprensa especializada. Os jornalistas enalteciam o longa e, em especial, a atuação de Natalie Portman como a personagem título, chegando ao êxtase cinematográfico de garantir uma indicação na categoria de melhor atriz para ela. De fato, a nomeação (e possível vitória) era cantada desde o lançamento do filme ao longo dessa jornada pré-Oscar. Dito e feito, Portman se posiciona novamente na história da Academia e está entre as três possíveis ganhadoras no próximo domingo, elencada com Emma Stone (La La Land) e Isabelle Huppert (Elle).

Com Jackie, Natalie Portman conquista sua terceira indicação ao maior prêmio da sétima arte após Closer (2004) e a vitória por Cisne Negro (2010) – o que pode prejudicar sua vitória – já que tem uma estatueta recente. O roteiro escrito por Noah Oppenheim narra os eventos pós-assassinato do presidente norte-americano John F. Kennedy, em 1963. Funcionando em algumas linhas narrativas diferentes e simultâneas, o filme de Larraín aborda uma entrevista de Jackie com um jornalista interpretado pelo ótimo Billy Crudup (creditado apenas como “o jornalista”), na qual a figura intocável e imaculada da Primeira Dama, pode finalmente se mostrar como ser humano pensante e cheia de fúria.

Além deste contexto, somos levados aos minutos que sucederam o fatídico dia, com a Primeira Dama ainda em estado de choque, e mais atrás ao passado, quando em um vídeo para uma matéria, revela-se bela, recatada e do lar, apresentando as mudanças que fez em sua nova moradia, a Casa Branca. Como disse um amigo, Jackie é o filme que dá voz a uma figura que nunca a teve. O objetivo realmente é explorar os bastidores desta figura tão querida para os EUA, e humanizá-la.

Outro fato curioso no longa, é que Larraín opta por incluir sua protagonista em todas as cenas do filme. Não existe um segmento em Jackie no qual Portman não esteja presente. Isso faz com que sua atuação seja ainda mais importante para a obra, se comportando como a espinha dorsal desta representação quase documental, tamanha é a inspiração. É como se o espírito de Jacqueline Kennedy Onassis realmente tivesse pairado sobre a atriz e acompanhado as gravações.

Somado a isso, temos coadjuvantes de luxo, encorpando bastante o produto final, como as participações de Peter Sarsgaard como Bobby Kennedy, o cunhado de Jackie, Greta Gerwig como Nancy Tuckerman, John Carroll Lynch como o sucessor de Kennedy na presidência Lyndon Johnson, Max Casella como Jack Valenti e a despedida do saudoso John Hurt, falecido no dia 25 de janeiro, em seu último trabalho lançado ainda em vida (o ator ainda possui quatro trabalhos a serem lançados, de forma póstuma), na pele de um padre. Neste momento, Jackie ganha, através da interação com o personagem de Hurt, significados existencialistas e religiosos mais profundos, onde sentimos a presença do grande texto de Oppenheim.

Junto com Jackie, o cineasta chileno lançou outra biografia, esta mais artística e com maiores liberdades narrativas: a do conterrâneo poeta Pablo Neruda, no filme Neruda. O longa esteve indicado ao Globo de Ouro, mas infelizmente não teve força de chegar até o Oscar, embora Larraín não seja estranho a indicações da Academia. Com Jackie, o diretor igualmente se apoia em grandes profissionais para entregar um exímio produto cinematográfico, chamando atenção a fotografia de Stéphane Fontaine (que este ano fotografou outros dois indicados: Capitão Fantástico e Elle) e a trilha insana e hipnotizante de Mica Levi (Sob a Pele). Jackie é emocionante, contundente, desesperador e humano. Um grande filme que, com 3 indicações ao Oscar 2017 (melhor atriz, figurino e trilha sonora), podemos argumentar ser merecedor de mais nomeações.