Poltrona Resenha: Bom Comportamento/ Cesar Augusto Mota

Poltrona Resenha: Bom Comportamento/ Cesar Augusto Mota

Já vimos diversos filmes que envolvem criminosos, policiais, perseguições e muitos tiros. Mas ‘Bom Comportamento’, filme dos irmãos Ben e Josh Safdie, sai do lugar comum e traz ao espectador uma história que reúne ingredientes capazes de causarem grande frenesi e oferecerem um ótimo plano visual.

O enredo consiste em nos mostrar o drama de dois irmãos, Nick (Ben Safdie) e Connie (Robert Pattinson), após um plano de assalto fracassar e Nick ir parar na prisão. Vemos uma grande lição de companheirismo, união, muita resistência e toda a astúcia de ambos para se livrarem da perseguição policial e conseguirem sobreviver na cidade grande. Uma verdadeira odisseia tortuosa.

A escolha do elenco para esse filme foi um dos acertos para a trama funcionar tão bem. Além de Safdie e Pattinson, temos  Buddy Duress,  como o traficante e um dos grandes conflitos da história, Jennifer Jason Leigh, uma mulher um tanto desequilibrada e desconexa, além de Barkhad Abdi e Taliah Webster, como o segurança imigrante e uma jovem sem tantas ambições, respectivamente. Todos transmitem com muita veracidade o que sentem, passando para o espectador muito desespero nas cenas, além de transmitirem um ritmo alucinante de suas ações nos mais diferentes momentos da trama. Destaque para Robert Pattinson, que consegue representar muito bem um personagem complexo e se desgarrar um pouco do ícone que o consagrou na saga Crepúsculo.

O roteiro apresenta uma história bem estruturada, que vai evoluindo conforme os planos e mentiras arquitetadas por Connie, além de surpreender pela forma como os personagens secundários são encaixados, todos beirando à loucura e envolvidos nas tramoias de Connie. O ritmo é frenético, intenso, você acha que tudo pode ir por água abaixo a qualquer momento, mas aguarda com ansiedade pelo próximo passo a ser dado por Connie para tentar tirar Nick da prisão. Outro trunfo está na velocidade das ações, elas são feitas num ritmo que não comprometam o entendimento da história e o desenrolar dela, você consegue acompanhar tudo sem perder o fio da meada e ainda se surpreende a cada cena mostrada.

Mais um destaque da produção é a fotografia, um filme escuro, mas com cores vibrantes e que ditam o ritmo, de perseguição, pressa e muita melancolia. O uso da câmera na mão é um ótimo recurso para mostrar a correria e o desespero dos personagens, tudo bem de perto e em detalhes para o espectador não perder nada e ficar ainda mais envolvido. Aliada às imagens, que possuem um enquadramento centrado nos rostos dos personagens, temos uma trilha sonora regada à música eletrônica bastante pulsante e os barulhos da cidade ao fundo, tudo para criar um clima tenso e perturbador para o espectador.

‘Bom Comportamento’ é um longa de visual vibrante, com roteiro que prima pela ousadia e dinamismo, além de contar com um elenco renomado e de ótimo entrosamento. Quem procura fortes emoções, esse é o filme certo. Bastante aclamado no Festival de Cannes, quem sabe não caia também no gosto dos brasileiros?

Avaliação: 4/5 poltronas.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

Anúncios

Um comentário sobre “Poltrona Resenha: Bom Comportamento/ Cesar Augusto Mota

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s