Poltrona Cabine: Operação Red Sparrow/ Cesar Augusto Mota

Poltrona Cabine: Operação Red Sparrow/ Cesar Augusto Mota

Acostumada a todo tipo de produção, desde as que focam em emoções e conflitos amorosos, bem como as que exploram fortes sequências de ação com muita adrenalina, Jennifer Lawrence segue sua trajetória de sucesso, agora em um longa que a fará sair da zona de conforto e que exigirá dela total entrega ao personagem. Com cenas que vão explorar sua inteligência, sensualidade e, principalmente, sagacidade, ‘Operação Red Sparrow’, produção da Fox Films dirigida por Francis Lawrence (da franquia Jogos Vorazes), fará Jennifer enfrentar um grande desafio, a de convencer com uma personagem inserida num cenário de corrida espacial entre Estados Unidos e Rússia, mesmo que tenha entrado nesse contexto na marra.

O enredo nos mostra Dominika Egorova (Lawrence), jovem bailarina da Companhia Bolshoi, que sofreu um repentino acidente enquanto se apresentava no palco e se vê forçada por seu tio Vanya (Matthias Schoenaerts) a se tornar uma espiã e se tornar “útil” ao seu país. Ela é levada para treinar na academia dos pardais, como são conhecidos os espiões russos, mas os métodos utilizados são um tanto peculiares, que utilizam métodos de tortura e degradação e outros que primam por empregar o charme, a luxúria e a perversão, tudo para a obtenção de informações sigilosas de espiões inimigos, sedução de rivais e, em diversas oportunidades, para desmascarar ou assassinar os alvos. E sua primeira mira é Nate Nash (Joel Edgerton), agente da CIA responsável por administrar a infiltração mais delicada da agência russa de inteligência. Nash saiu da Rússia de forma misteriosa e deixou pistas de que recebe o apoio de um informante, traidor do Kremlin. Ao se conhecerem, os dois entram em uma enorme espiral, que vai desde o encantamento até a decepção, colocando em risco suas carreiras e a segurança de Estados Unidos e Rússia. Uma enorme onda de tensão que vai mexer com os nervos dos espectadores.

Por se tratar de um filme de espionagem, comparações com ‘Atômica’ e ‘SALT’ sem dúvida vão surgir, mas ‘Operação Red Sparrow’ passa bem longe e não lembra nem um pouco o universo dessas duas superproduções. O roteiro não foca em cenas de ação, não há nenhuma durante os 139 minutos de projeção, mas destaca a questão da sobrevivência, já que Dominika precisa cuidar de sua mãe doente e não vê saída para desistir de seu novo trabalho, além das operações secretas, as sessões de tortura e todo o esquema de vigilância montado para a captura e o interrogatório dos suspeitos até a chegada aos alvos, o agente Nate e o informante que o acoberta. O ritmo ditado pela narrativa é irregular, só a primeira parte leva cerca de 30 minutos antes de apresentar a protagonista como espiã, há uma série de reviravoltas que prejudicam a história, mas seu desfecho corrige as imperfeições e traz ao público um fechamento digno de uma trama de altos e baixos.

Se a história apresenta problemas, não se pode dizer o mesmo da parte técnica. O diretor Francis Lawrence, já acostumado a trabalhar com Jennifer Lawrence desde a franquia Jogos Vorazes, soube muito bem explorar as capacidades físicas e psíquicas da atriz, com o auxílio de interiores opacos e planos bem abertos e enquadramentos que valorizam as atuações dos protagonistas e dos atores secundários. A fotografia é de uma extrema elegância, o espectador passeia por diversas paisagens da Rússia ao mesmo tempo em que convive com a atmosfera angustiante, tensa e frenética dos espiões em busca de seus alvos.

Com uma personagem que oferece diversos atrativos, Jennifer Lawrence consegue se destacar em um filme cheio de sobressaltos, indo além dos seus limites e ilustrando uma personagem fora do universo ao qual ela está acostumada a interpretar. Ela carrega a produção e permite aos outros atores se destacarem, como Joely Richardson, mãe de Dominika, e Charlotte Rampling, a treinadora dos Red Sparrows. Joel Edgerton tem uma atuação discreta e entrega tudo o que seu personagem permite, e Jeremy Irons, mesmo que presente em poucas cenas, brilha intensamente. E menção honrosa também para Matthias Schoenaerts, ator belga que já havia se destacado em produções como ‘Ferrugem e Osso’, de Jacques Audiard, e Suíte Francesa(2015), de Saul Dibb, além de ter participado de Garota Dinamarquesa (2015), filme com várias indicações ao Oscar 2016. E ele não faz feio, interpretar o Vanya Egorov, tio da protagonista, foi um grande desafio, o personagem que provoca os acontecimentos mais tensos da trama, além de ser a peça chave da máfia russa contra os espiões norte-americanos, uma atuação de primeira.

Uma superprodução com um roteiro impreciso, que peca pela ausência de ação e abusa das cenas com luxúria, mas que é compensado pelas atuações de seu elenco e pela bela representação visual, ‘Operação Red Sparrow’ é um filme mediano e que poderia ter sido mais bem desenvolvido para seu público. Um gênero que prima pela dinâmica e empolgação, que faltarem nesse longa, uma pena.

Avaliação: 3,5/5 poltronas.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

WiFi Ralph lança teaser

WiFi Ralph lança teaser

“WiFi Ralph” deixa para trás o fliperama Litwak, aventurando-se no desconhecido, expansivo e empolgante mundo da Internet – que pode ou não sobreviver a detonação causada por Ralph. Ralph, o vilão dos videogames e sua companheira desajustada Vanellope von Schweetz precisam arriscar tudo ao viajar para a world wide web em busca de uma peça sobressalente para salvar o videogame de Vanellope, Corrida Doce. Sem saber no que se meteram, Ralph e Vanellope dependem dos cidadãos da Internet – os internautas – para auxiliar em sua navegação, incluindo uma empresária de website chamada Yesss, que é o algoritmo principal e o coração e alma do site que dita tendências “BuzzzTube”. Com direção de Rich Moore (“Zootopia – Essa Cidade é o Bicho”, “Detona Ralph”) e Phil Johnston (corroteirista de “Detona Ralph”, “Um Negócio Nada Seguro”, corroteirista de “Zootopia – Essa Cidade é o Bicho”), e produção de Clark Spencer (“Zootopia – Essa Cidade é o Bicho”, “Detona Ralph”, “Bolt – Supercão”), “WiFi Ralph” chega aos cinemas do Brasil no dia 3 de janeiro de 2019.

OBSERVAÇÕES:

  • Quando “Detona Ralph” estreou dia 2 de novembro de 2012, converteu-se na melhor bilheteria do fim de semana de estreia da história de um filme da Walt Disney Animation Studios na época do lançamento.
  • “Detona Ralph” venceu o PGA Award de melhor filme de animação assim como cinco Annie Awards, incluindo melhor filme de animação, diretor, roteiro e ator. O filme foi nomeado melhor filme de animação pela Broadcast Film Critics Association, obteve menção de realização extraordinária do elenco para filme de animação pela Casting Society of America, e ganhou o Kids’ Choice Award de filme de animação preferido. O filme também foi indicado ao Oscar® e Globo de Ouro® de melhor filme de animação.
  • O filme reúne novamente o diretor, produtor e corroteirista originais pro trás de “Detona Ralph”. O roteiro foi escrito por Phil Johnston e Pamela Ribon.
  • O diretor Rich Moore, o produtor Clark Spencer, e o corroteirista Phil Johnston se uniram ao também diretor Byron Howard e corroteirista/codiretor Jared Bush para criar o sucesso de bilheterias vencedor do Oscar® “Zootopia – Essa Cidade é o Bicho”.

Por Anna Barros

Maratona Oscar/ Logan/ Por: Vitor Arouca

Maratona Oscar/ Logan/ Por: Vitor Arouca

519-film-page-thumbnailHistórico:  Logan é o primeiro filme de super-herói indicado ao prêmio de Melhor Roteiro Adaptado. O roteiro e direção do filme são de James Mangold.

Logan é o último filme da série Wolwerine e o mais violento.

Em 2024, Logan vira chofer de limousine para cuidar do professor, Charles Xavier e esquecer o seu passado.

Enquanto Logan liga o carro para sair, Donald Pierce, um mercenário entra e confronta o ex X- Men para descobrir o paradeiro da menina Laura Kinney que até então Logan não conhecia.

Logan encontra- se fraco fisicamente e emocionalmente e deixa de lado as suas forças de mutante, mas isso muda quando ele é procurado pela mexicana Gabriela que precisa de sua ajuda. Logan negou ajudou diversas vezes, mas se rendeu a grande quantidade de dinheiro que lhe foi oferecido e começou a ajudar a mexicana Gabriela e a menina Laura Kinney.

Minhas Apostas para o Oscar 2018/Anna Barros

Minhas Apostas para o Oscar 2018/Anna Barros

Melhor Filme: A Forma da Água
Melhor Diretor: Guillermo Del Toro
Melhor Atriz: Sally Hawkins
Melhor Ator: Gary Oldman
Melhor Ator Coadjuvnate: Sam Rockwell
Melhor Atriz Coadjuvante: Allison Janney – I, Tonya
Melhor Roteiro Original: Três Anúncios para Um Crime
Melhor Roteiro Adaptado: Me Chame pelo seu nome
Melhor Animação: Viva, a Vida é uma festa
Melhor Filme Estrangeiro: O Insulto, Líbano
Melhor Canção Oirginal: Remember Me
Melhor Fotografia: A Forma Da Água
Melhor Figurino: A Bela e a Fera
Melhor Trilha Sonora Original: Star Wars John Williams

Maratona Oscar: The Square: A Arte da Discórdia/ Cesar Augusto Mota

Maratona Oscar: The Square: A Arte da Discórdia/ Cesar Augusto Mota

A arte proporciona ao observador diversas possibilidades. A imagem ou o objeto retratado pode ter mais de um significado, bem como a capacidade de traçar um panorama positivo ou negativo ou até mesmo uma visão crítica da sociedade contemporânea, muitas vezes reticente e intolerante às manifestações artísticas. ‘The Square-A Arte da Discórdia’, do cineasta sueco Ruben Östlund e agraciado com a Palma de Ouro no Festival de Cannes, traz importantes valores ao público como reporta a ele até onde vão ou deveriam ir os limites da liberdade de expressão, cada vez mais questionados e censurados.

O personagem central da trama é Christian (Claes Bang), curador de um imponente museu de arte moderna e que prepara uma nova exposição, The Square, cujo tema central é a confiabilidade no próximo, premissa importante para a conversão do local em um ambiente sagrado e sinônimo de estabilidade e igualdade de direitos. Além disso, Christian quer trazer ao público um evento que tenha ousadia, provoque desafios e venha a ter bastante popularidade, e contará para isso com especialistas em criar vídeos que se tornem ‘virais’ na internet e artistas com performances ‘ousadas’, para não dizer insanas. Mas o curador se verá em meio a uma série de conflitos após ter seus pertences furtados e se envolver co m a polêmica divulgação de um vídeo promocional do museu, ‘um viral’ que se torna um escândalo e que vem a por em risco a credibilidade do local e de seus organizadores.

O roteiro apresenta uma série de fragmentos e traz diversos panoramas, como a capacidade do público em interpretar os valores transmitidos pelas obras, a definição de arte contemporânea, seus limites, bem como a fragilidade e falência das relações humanas. Na medida em que o filme vai se desenrolando o espectador passa a ter uma série de questionamentos em mente e reflete sobre a importância de se existir um diálogo entre a arte e o público, o museu e o frequentador, além de procurar saber o que é ético e moral em uma manifestação que preza ou deveria prezar pela cultura e busca do conhecimento. São ótimos exercícios que o público faz durante os 139 minutos de duração do longa, mas que poderiam ocorrer em um ritmo e tempo menores e sem tanta exaustão, além de algumas cenas que poderiam ser excluídas, tendo em vista o ridículo que é retratado em algumas ocasiões e o constrangimento causado com certas sequências bizarras. Algumas sequências são prejudicadas e divagações presentes no enredo poderiam ter sido evitadas.

A fotografia é substancial, não só se preocupa em retratar a beleza dos objetos expostos e o significado deles, mas em despertar a curiosidade e aflorar os sentimentos do público, que ficam cada vez mais exaltados e evidentes em uma cena que ilustra um jantar entre ricos doadores do museu que são surpreendidos como uma exposição de um artista corporal que vai até a últimas consequências. A proposta de mostrar a intolerância e de criticar o posicionamento da sociedade europeia para com as manifestações artísticas é atingida de forma satisfatória, além de mostrar que o desequilíbrio pode existir dos dois lados, do público que pode não ser aberto ao que é exposto, como os expositores, com performances extravagantes e que firam a moral e a dignidade humanas.

Pulsante, didático e ousado, ‘The Square’ nos mostra que não basta apenas ilustrar o que é importante ser visto, como também deve existir uma estabilidade entre artistas e público. A arte não é só aquela que seduz e provoca repulsa, mas capaz de tocar no consciente e frisar o papel que cada um tem no seio social, e isso o longa de Ruben Östlund alcança com louvor e leva todos os méritos. A obra vem forte para a temporada de premiações e séria candidata a várias estatuetas, não é apenas um filme que reflete os ideais europeus, ele também se encaixa na atual realidade brasileira, envolta a escândalos, corrupção e intolerância. Um filme que se encaixa como uma luva no momento atual em que vivemos e que será por muito tempo posto em discussão.

Avaliação: 4,5/5 poltronas.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

Maratona Oscar: Me chame pelo seu nome/Paula Hermógenes

Maratona Oscar: Me chame pelo seu nome/Paula Hermógenes

Call me by your name – uma receita que deu muito certo
Os ingredientes:  uma pitoresca cidade do interior no norte da Itália, um pai acadêmico que recebe estudantes para estágio de pesquisa no verão, uma mãe amorosa e tolerante, um filho de 17 anos (magistralmente interpretado por Timothée Chalamet) descobrindo sua sexualidade.  Todos. exceto o estudante americano poliglotas e, a alternância de idiomas em diálogos confere ao filme um charme especial.  O sol de verão italiano e maravilhosas paisagens compondo as cenas divinamente.  O que mais faltaria?   Parece que nada já que até a polêmica cena envolvendo um pêssego é divinamente dirigida.
Ao que consta. o projeto de realização deste filme remonta 2007 quando o diretor italiano Luca Guadagnino adquiriu os direitos sobre a publicação  original do escritor americano Andre Aciman.  Uns anos mais tarde a Sony Pictures resolveu apostar na película durante o Festival de Sundance.  Com sucesso, promoveu um lançamento discreto nos USA e capitais Europeias em Novembro de 2017 e…finalmente, após sucesso de crítica grande lançamento mundial em janeiro de 2018.
Call me by your name é tão delicado e ao mesmo tempo traz diálogos poderosos, principalmente nas falas do pai de Elio, o professor pesquisador. Sim, há quem prefira tratar Call me By Your Name como um filme gay. Sim, o encontro amoroso de maior destaque se dá entre dois homens. E, sim, a reação de Oliver ao perceber o pêssego no quarto de Elio é de uma carga sexual maior do que a que a antecede. Mas eu prefiro acreditar que o filme é sobre a descoberta do amor e da dor da primeira desilusão amorosa e recados sobre a sociedade moderna.
O primeiro é a hipocrisia, afinal Oliver – o objeto da paixão de Elio opta por ocultar sua bissexualidade e proteger-se na falsa imagem da clássica família americana dos comerciais de margarina. O segundo recado é preciso no diálogo final do filme de onde se pode tirar a citação: “Nature has cunning ways of finding our weakest spot.”.  Em Português: ” A natureza tem formas espirituosas de encontrar nosso ponto fraco.”
Se você não viu o filme, leia o livro e vá ao cinema!  Um excelente roteiro adaptado, um jovem ator esbanjando qualidade, uma paisagem deslumbrante e um filme da melhor qualidade!
Ganhador do prêmio Goya 2018, ‘A Livraria’ estreia em 22 de março no Brasil

Ganhador do prêmio Goya 2018, ‘A Livraria’ estreia em 22 de março no Brasil

Baseado no romance homônimo de Penelope Fitzgerald, o filme “A LIVRARIA”, de Isabel Coixet, traz a história da viúva Florence Green (Emily Mortimer), que decide reconstruir sua vida e, para isso, resolve abrir uma livraria, apesar da oposição da população do vilarejo onde vive, na Inglaterra, em 1959. Com estreia marcada para o dia 22 de março, o longa foi o grande vencedor do Goya 2018, considerado o Oscar do cinema espanhol, e foi exibido recentemente no Festival de Berlim.

– Eu li o romance de Penelope Fitzgerald há quase dez anos, durante um verão particularmente frio nas Ilhas Britânicas. Ler o livro foi uma verdadeira revelação: senti-me totalmente transportada para 1959 e realmente me projetei na inocente, doce e idealista Florence Green. Na verdade, eu sou essa mulher. Eu me sinto profundamente conectada com essa personagem de um jeito que nunca senti com alguma protagonista de outro filme meu – revela Coixet.

A personagem vivida por Emily Mortimer é uma viúva de espírito livre, que vai contra a humidade, o frio e a apatia da cidadezinha de Hardborough para realizar o desejo de abrir um estabelecimento. Apesar da resistência que enfrenta, logo ela consegue virar o jogo quando mostra aos habitantes locais o melhor da literatura da época, incluindo o escandaloso Lolita, de Nabokov, e Fahrenheit 451, de Ray Bradbury.

– Tem algo de heroico na personagem Florence Green, algo simples e corriqueiro. Ela está se expondo, e por nenhum outro desejo senão o de abrir uma livraria. Ela não se preocupa com apoios ou procura por eles ao seu redor. Ela só arregaça as mangas para alcançar seu objetivo. E assim, Florence Green chama a atenção – defende a diretora.

No entanto, nem tudo são flores para Florence. Com o sucesso do seu negócio, ela acaba incitando a hostilidade dos lojistas menos prósperos da cidade e cruza os interesses da Sra. Gamart (Patricia Clarkson), a vingativa e amargurada mulher que se julga a decana da cena artística local. A história relata as dificuldades e obstáculos que Florence encontra no processo: ignorância, inveja e a falsa moral dos cidadãos que irão tentar colocar um fim no sonho dela.

– As pessoas se arriscam todos os dias. Oportunidades grandes e pequenas, seguras ou perigosas: e muitas delas passam despercebidas. Mas o que acontece quando essas oportunidades SÃO percebidas? E como isso se reflete no mundo em que todos nós vivemos hoje? – conclui a diretora.

SINOPSE

Baseado no romance homônimo de Penelope Fitzgerald, A Livraria é situado em 1959. Florence Green (Emily Mortimer) é uma viúva de espírito livre, que deixa o luto para trás e arrisca tudo para abrir uma livraria – o primeiro estabelecimento desse tipo na sonolenta cidade litorânea de Hardborough, Inglaterra. Contra a umidade, o frio e a considerável apatia local, ele luta para se estabelecer, mas logo sua sorte muda para melhor.

FICHA TÉCNICA

Gênero: Drama
Duração: 108 minutos
Ano: 2017
País: Espanha
Classificação: a definir
Formato: Digital 4K
Locações: Irlanda do Norte e Barcelona
Produção executiva: Albert Sagalés, Paz Recolons, Fernando Riera, Manuel Monzón
Coprodução: Jamila Wenske, Sol Bondy
Coprodução executiva: Thierry Wase-Bailey, Henriette Wollmann]
Direção de fotografia: Jean Claude Larrieu (a.f.c.)
Música composta por: Alfonso de Vilallonga
Assistência de direção: Luca Vacchi
Casting: Jeremy Zimmermann
Produção em linha: Jordi Berenguer, Alex Boyd
Design de produção: Llorenç Miquel
Edição: Bernat Aragonés
Figurino: Mercè Paloma
Maquiagem: Montse Sanfeliu
Cabelos: Laura Vacas
Mixagem de som: Albert Gay
Desenho de som: Enrique G. Bermejo
Mixagem: Carlos Jiménez

Elenco (por ordem de aparição)

Florence Green – Emily Mortimer
Edmund Brundish – Bill Nighy
Mr. Keble – Hunter Tremayne
Christine – Honor Kneafsey
Mr. Raven – Michael Fitzgerald
Jessie Welford – Frances Barber
General Gamart – Reg Wilson
Milo North – James Lance
Violet Gamart – Patricia Clarkson
Convidado 1 – Lucy Beckwith
Mr. Deben – Nigel O’Neill
Mr. Thornton – Jorge Suquet
Wally – Harvey Bennett
Ivy Welford – Lana O’Kell
Mrs. Traill – Adie Allen
Mrs. Gipping – Lucy Tillett
Peter Gipping – Toby Gibson
Theodore Gill – Gary Piquer
Ladrão – Alfie Rowland
Leitor 1 – Sophie Heydel
Mrs. Keble – Mary O’Driscoll
Mrs. Deben – Karen Ardiff
Kattie – Charlotte Veja
Inspetor Sheppard – Barry Barnes
Garoto – Conor Smith
Inspetora – Rachel Gadd
Lionel Fitzhugh – James Murphy
Harold – Nick Devlin
William – Richard Felix
Christine (adulta) – Francesca McGill