Michael Moore lança documentário com tom provocativo a Trump no Festival de Toronto

Michael Moore lança documentário com tom provocativo a Trump no Festival de Toronto

O cineasta Michael Moore provocou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump,  comparando-o a Adolf Hitler em seu novo documentário, “Fahrenheit 11/9”, que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Toronto na quinta-feira (6) com casa cheia.

O documentário examina as forças que Moore acredita terem contribuído para a vitória eleitoral de Trump em novembro de 2016, traçando paralelos com a ascensão de Hitler na Alemanha dos anos 1930.

A certa altura o filme sobrepôs palavras de Trump a vídeos de comícios de Hitler enquanto um historiador fala da ascensão de homens fortes a posições de poder.

“Exploramos a questão de como nos metemos nessa confusão dos diabos e como saímos dela”, disse o ativista liberal aos repórteres antes da exibição.

“Ele (Trump) está por aí há muito tempo e nós nos comportamos de uma certa maneira durante muito tempo, e quando você olha para trás agora percebe como o caminho foi aberto para ele”, disse o cineasta.

O novo filme é um pedido de ação a todos os norte-americanos, afirmou Moore, que conquistou um Oscar em 2003 por seu documentário sobre a violência das armas “Tiros em Columbine”.

O título “Fahrenheit 11/9” se inspirou nas primeiras horas de 9 de novembro de 2016, quando o candidato republicano Trump foi declarado oficialmente como vencedor da eleição.

No filme, Moore atribui a culpa pela vitória de Trump às suposições generalizadas de que a candidata democrata Hillary Clinton venceria, a interesses velados e à mídia dos EUA, que priorizou a grande audiência que Trump rendeu à programação das redes de televisão.

A Casa Branca não se pronunciou até o momento sobre o documentário.

Fonte: G1

crédito da foto: CTV News

Por: Cesar Augusto Mota

 

Ex-estrategista de Donald Trump marca presença no Festival de Veneza

Ex-estrategista de Donald Trump marca presença no Festival de Veneza

Ex-estrategista de Donald Trump, o americano Steve Bannon confirmou que irá participar do Festival de Veneza,  na sessão do documentário “American Dharma” nesta quarta (5), sobre ele.  A organização da mostra italiana confirmou a informação à revista Variety, mas destacou que ele não faz parte da delegação oficial do documentário.

Uma das grandes vozes da direita, Steve Bannon fez parte do Breitbart News, agência de notícias com viés conservador, prestou conselhos na reta final da campanha de Trump à presidência e também serviu no posto de estrategista da Casa Branca nos primeiros meses da gestão do presidente republicano.

O anúncio ocorreu um dia depois de Bannon ter seu convite a outro evento sido cancelado, um festival promovido pela revista The New Yorker, em Nova York. Ele havia sido anunciado pelo editor da publicação, David Remnick, como um dos convidados a palestrar num painel. Mas diante do boicote de outros palestrantes, como Jim Carrey e Judd Apatow, o festival cancelou o convite a Bannon.

O documentário “American Dharma” tem direção de Errol Morris, que já retratou em seus filmes anteriores outras figuras controversas do governo americano, como os ex-secretários da Defesa Donald Rumsfeld (em “The Unknown Known”) e Robert McNamara (em “Sob a Névoa da Guerra”).

O Festival de Veneza vai até o próximo sábado, 08 de setembro.

crédito da foto: variety.com

Por: Cesar Augusto Mota

 

Curta! estreia série que mostra artistas como Arnaldo Antunes e Liniker debatendo suas linguagens

Curta! estreia série que mostra artistas como Arnaldo Antunes e Liniker debatendo suas linguagens

“OS IRMÃOS ROBERTO”, DOCUMENTÁRIO SOBRE DOIS GRANDES ARQUITETOS BRASILEIROS, É OUTRA ESTREIA DE DESTAQUE NA PROGRAMAÇÃO DO CANAL

 

Um debate entre artistas sobre suas linguagens e suas experiências com as artes, em suas várias vertentes. É isso que nomes como Arnaldo Antunes, Antonio Cicero, Mariana Lima, Mariana Aydar e Liniker fazem em “Palavras Permanecem”, série documental original que o Curta! estreia na Quinta do Pensamento,16, às 23h. Em cada um dos seis episódios, uma dupla de artistas brasileiros se encontra e conversa sobre seus processos criativos. O resultado é um retrato da intimidade desses artistas, com direito a uma performance inédita e exclusiva ao fim. No programa de estreia, a cantora Ná Ozzetti e o compositor e escritor José Miguel Wisnik revelam como mantêm o brilho nos olhos quando se encontram, mesmo tendo uma parceria que já dura mais de 30 anos. A dupla também presenteia o espectador com um número musical inédito.

 

Uma dupla responsável por grandes marcos da arquitetura brasileira é tema de outra estreia da semana no canal: o longa-metragem “Os Irmãos Roberto”, que vai ao ar na Terça das Artes, 14, às 22h40. Da mesma geração de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer, os irmãos Marcelo, Milton e Maurício foram autores do prédio do aeroporto Santos Dumont. Neste filme, a partir dos depoimentos de diversos arquitetos contemporâneos, reavalia-se a contribuição da dupla, especialmente na formulação de projetos de moradia de classe média que, embora voltados para o mercado, nunca perderam de vista a beleza e o bem-estar dos ocupantes, valores negligenciados pela visível padronização de estilos e materiais nas últimas décadas.

 

“A MPB Calada”, novo episódio da série “Cale-se – A censura musical no Brasil”, estreia na Segunda da Música, 13, às 20h. Os oito episódios da série exploram a produção musical brasileira afetada pelos departamentos de censura durante a Ditadura Militar. Por meio de números musicais históricos ou produzidos para a série, conheceremos o repertório vetado pelos censores e suas motivações mais surpreendentes. Imagens da época e depoimentos de compositores censurados, artistas exilados, advogados, jornalistas e pesquisadores trazem à tona os bastidores da censura musical durante os anos de chumbo.

 

Na Sexta da Sociedade, 17, às 23h, o Curta! exibe a segunda parte do documentário inédito no Brasil “Revoluções Sexuais”, do historiador e antropólogo Sylvain Desmille. Através de arquivos inéditos e análises de pensadores, a produção mostra as ações feministas que impactaram e transformaram o mundo entre as décadas de 1950 e 2000. Dos movimentos feministas e LBGTs à popularização de métodos anticoncepcionais, a revolução sexual redefiniu as sociedades ao redor do mundo, e Desmille apresenta um olhar sobre o desenvolvimento dessas questões.

 

Na Quinta do Pensamento, 16, às 23h30, o episódio inédito da série “Alegorias do Brasil” investiga as revoltas e os conflitos que perpassam a história do Brasil e desfazem os mitos de país e povo pacíficos. Em “Conciliação e Conflito”, intelectuais, historiadores e representantes da sociedade civil refletem sobre como a conciliação marcou um modo de lidar com as tensões sociais de um país desigual, que adiava o seu enfrentamento, e como lidamos com os conflitos na atualidade.

“Alegorias do Brasil” é a primeira produção do cineasta Murilo Salles idealizada exclusivamente para a TV.  Ao longo de 13 episódios, as alegorias brasileiras – ou seja, as expressões culturais que afirmam a nossa identidade – são colocadas em discussão e analisadas por nomes como Vladimir Safatle, Silviano Santiago, Maria Rita Kehl e Nuno Ramos. A série é uma produção da Cinema Brasil Digital com financiamento do Fundo Setorial do Audiovisual da ANCINE.

 

Na Quarta de Cinema, 15, às 20h, a faixa “A Vida é Curta!” apresenta filmes de três cineastas. A sessão começa com o curta-metragem de terror “O Duplo”, realização da cineasta paulista Juliana Rojas. A diretora, que foi aclamada em festivais internacionais este ano com o longa-metragem “As Boas Maneiras”, parceria com Marco Dutra, apresenta a apreensão de uma professora ao enxergar um ser idêntico a ela, o seu duplo. Em seguida, é a vez do curta “A Mão Que Afaga”, de Gabriela Amaral Almeida. Em cena, uma operadora de telemarketing planeja uma festa no aniversário de 9 anos de seu único filho, mas seus planos têm poucas chances de dar certo. “3 Minutos”, filme de Ana Luiza Azevedo, com o ator Werner Schünemann no elenco, encerra a programação da semana. O filme discute o efêmero na vida moderna.

 

Um pouco mais tarde, às 23h40, também na Quarta de Cinema, 15, a série “Projeções” traz o depoimento do jovem cineasta pernambucano Marcelo Pedroso. No episódio, o realizador detalha as descobertas, os fracassos e o processo de criação de suas produções “Pacific” e “Câmera Obscura”. A série “Projeções” é uma produção do Itaú Cultural gentilmente cedida ao Curta! que busca tratar do mais recente cinema expandido brasileiro, em seus diferentes gêneros e formatos.

 

SEGUNDA DA MÚSICA

A Trajetória dos Beatles – (Documentário)

The Beatles se mantém como a maior banda pop de todos os tempos, com suas músicas e letras transcendendo as décadas – e as personalidades de John, Paul, George e Ringo continuando a influenciar gerações de músicos e fãs por todo o mundo. Mas antes da fama e fortuna, existiu a história menos conhecida de 6 jovens que iriam – e não iriam – crescer para se tornar os Beatles.

 

Diretor: Paul Clark.

Duração: 52 min.

Exibição: 13 de agosto, segunda-feira, às 20h30.

Classificação: Livre.

Horários Alternativos:
14 de agosto, terça-feira, às 00h30.
15 de agosto, quarta-feira, às 08h30.

Clara Estrela – (Documentário)

O filme dá ao espectador a oportunidade de relembrar os sucessos e a trajetória de Clara Nunes e de conhecer um pouco mais de uma personagem que, mesmo passados mais de trinta anos de sua morte, permanece em lugar de destaque na história da música popular brasileira.

 

Diretores: Susanna Lira e Rodrigo Alzuguir.

Duração: 71 min.

Exibição: 13 de agosto, segunda-feira, às 22h30.

Classificação: Livre.

Horários Alternativos:
14 de agosto, terça-feira, às 02h30.
15 de agosto, quarta-feira, às 10h30.

Cale-se (Série Musical) – Episódio: A MPB Calada

A série explora a produção musical brasileira afetada pelos departamentos de censura durante a Ditadura Militar. Por meio de números musicais históricos ou produzidos para a série, conheceremos o repertório vetado pelos censores e suas motivações mais surpreendentes.

 

Diretor: Marcus Fernando.

Duração: 26 min.

Exibição: 13 de agosto, segunda-feira, às 20h.

Classificação: Livre.

Horários Alternativos:
14 de agosto, terça-feira, às 00h
15 de agosto, quarta-feira, às 08h

TERÇA DAS ARTES

Os Irmãos Roberto – (Documentário)

Integrantes da mesma geração de Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e Affonso Eduardo Reidy, os irmãos Marcelo, Milton e Maurício, conhecidos profissionalmente como irmãos Roberto, foram os autores de marcos da arquitetura modernista brasileira, como o premiado prédio da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no centro do Rio, e o aeroporto Santos Dumont.

 

Diretores: Ivana Mendes e Tiago Arakilian.

Duração: 72 min.

Exibição: 14 de agosto, terça-feira, às 22h40.

Classificação: Livre.

Horários Alternativos:
15 de agosto, quarta-feira, às 02h40
16 de agosto, quinta-feira, às 10h40

QUARTA DE CINEMA

Projeções (Série) – Marcelo Pedroso

A série “Projeções” joga luz sobre o mais recente cinema expandido brasileiro, em seus diferentes gêneros e formatos. Neste episódio, o diretor e montador Marcelo Pedroso debate descobertas, fracassos e criação de dispositivos fílmicos em “Pacific” e “Câmara Escura”.

Diretora: Renata Druck.

Duração: 15 min.

Exibição: 15 de agosto, quarta-feira, às 23h40.

Classificação: 10 anos.

Horários alternativos:

16 de agosto, quinta-feira, às 3h40.

17 de agosto, sexta-feira, às 11h40.

A Vida é Curta

Esta semana, a faixa aborda realizações de 3 mulheres e exibe os curtas “O Duplo”, “A Mão que Afaga” e “3 Minutos”.

Exibição: 16 de agosto, quarta-feira, às 20h

Classificação: Livre.

QUINTA DO PENSAMENTO

Palavras Permanecem (Série) – A Olhos Nus

A cantora Ná Ozzetti e o compositor e escritor José Miguel Wisnik mantém o brilho nos olhos quando se encontram e falam sobre a voz como instrumento, a importância e a descoberta da canção, a relação de amizade e a passagem do tempo. Nesse episódio, atravessado pelo amor à música, a dupla também nos presenteia com números musicais dessa parceria que já dura mais de 30 anos.

 

Diretora: Renata Druck.
Duração: 26 min.
Estreia: 16 de agosto, quinta-feira, às 23h.
Classificação:
 Livre.
Horários alternativos:
17 de agosto, sexta-feira, às 03h.

18 de agosto, sábado, às 21h.

Alegorias do Brasil (Série) – Conciliação e Conflito

O Brasil não é um país de história pacífica, como muitas vezes se acreditou. Pelo contrário, sua formação é cheia de revoltas, mesmo que não tenha passado por uma revolução. Por muito tempo, porém, a conciliação marcou um modo de lidar com as tensões sociais de um país desigual, que adiava o seu enfrentamento. Mas hoje parece que os conflitos assomaram e estão em aberto. O que virá daí?

 

Diretor: Murilo Salles.
Duração: 31 min.
Exibição: 16 de agosto, quinta-feira, às 23h30.
Classificação:
 Livre.
Horários alternativos:
17 de agosto, sexta-feira, às 03h30.

18 de agosto, sábado, às 21h30.

SEXTA DA SOCIEDADE

Revoluções Sexuais (parte 2)

Dos movimentos feministas e LBGTs à popularização de métodos anticoncepcionais, a revolução sexual redefiniu as sociedades ao redor do mundo. Através de materiais de arquivo inéditos e análises de pensadores de diferentes países, este documentário dividido em duas partes analisa o impacto dessas transformações entre as décadas de 1950 e 2000.

 

Diretor: Sylvain Desmille.

Duração: 52 min.

Exibição: 17 de agosto, sexta-feira, às 22h30.

Classificação: Livre

Horários alternativos:

18 de agosto, sábado, às 2h30h e às 10h20

19 de agosto, domingo, às 21h20h

20 de agosto, segunda, às 16h30

21 de agosto, terça, às 10h30

Sobral – O Homem que Não Tinha Preço (Documentário)

O filme leva o público a conhecer a figura singular de Sobral Pinto: a coragem, a ética, o humor, a fé, a luta incansável pela justiça – sem cobrar honorários nem aceitar favores. Com depoimentos de personagens como Luís Carlos Prestes e sua filha Anita Leocádia, Zuenir Ventura, e do próprio Sobral, impagável em seus relatos e opiniões.

Diretora: Paula Fiuza.

Duração: 90 min.

Exibição: 17 de agosto, sexta-feira, às 21h.

Classificação: Livre.

Horários alternativos:

18 de agosto, sábado, às 01h.

19 de agosto, domingo, às 18h.

Filme ‘A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro’ já se encontra disponível no streaming

Filme ‘A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro’ já se encontra disponível no streaming

‘A VIDA EXTRA-ORDINÁRIA DE TARSO DE CASTRO’ JÁ ESTÁ DISPONÍVEL NO STREAMING

Longa conta a história do  jornalista fundador do consagrado caderno “Folhetim”

Filme “A VIDA EXTRA-ORDINÁRIA DE TARSO DE CASTRO” já pode ser visto no streaming. Disponível nas plataformas iTunes, NET, Google Play, Oi Play e Vivo Play, o documentário revive, por meio da fascinante trajetória do jornalista Tarso de Castro, a história do Brasil dos anos 60, 70 e 80 e da geração de intelectuais que resistiram à ditadura militar e promoveram uma verdadeira revolução nos costumes e na cultura brasileira.

Entre os entrevistados estão o cartunista Jaguar, o jornalista Sérgio Cabral (pai) e o filho de Tarso, João Vicente de Castro, além de outros companheiros do jornalista, como Paulo César Pereio, Caetano Veloso, Antônio Pedro, Nelson Motta, Roberto D’Avila, Bárbara Oppenheimer, Paulo Caruso e Gilda Midani.

Idealizador do jornal Pasquim e do caderno Folhetim da Folha de S.Paulo, Tarso de Castro foi um dos mais importantes e polêmicos jornalistas do Brasil. Como bem definiu Otto Lara Resende, Tarso traçou um verdadeiro pacto de felicidade com a vida e pagou o preço dos prazeres excessivos – era alcoólatra, não admitia se tratar e morreu de cirrose hepática aos 49 anos de idade em 1991.

SINOPSE

Boêmio. Provocador. Sedutor. Revolucionário. Além de idealizador do “Pasquim”, Tarso de Castro foi um dos maiores jornalistas do Brasil. Ao investigar sua vida, vem à tona a história de um país embriagado pela ditadura e pela censura, onde o sonho de democracia nascia de uma geração libertária.

TRAILER

SERVIÇO

iTunes: Aluguel HD – R$ 11,90 / Compra SD – R$ 12,90 / Compra HD – R$ 19,90
Google Play: Aluguel HD – R$ 6,90 / Compra SD – R$ 19,90 / Compra HD – R$ 24,90
NET: R$ 14,90
Oi Play: R$ 12,90
Vivo Play: R$ 11,90

Editoras independentes mostram novidades na Flip 2018

Editoras independentes mostram novidades na Flip 2018

Qual o papel do impresso hoje? Qual seu sentido num mundo dominado por telas? Desafiando essas perguntas, uma exuberante cena de publicações independentes vem crescendo no Brasil.

Acontece de 25 a 29 de julho a tradicional FLIP – Feira Literária Internacional de Paraty. Em sua 16ª edição, o evento contará com exibições do documentário/curta-metragem “Impressão Minha” (27 min), um registro histórico que revela personagens e suas ideias sobre o poder da arte impressa, os bastidores dos processos de criação, a produção e a difusão das publicações independentes, além das visões e debates em torno dessa movimentação.

Na quinta-feira, dia 26, às 19h30, Flipei – Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (Rua Perequeaçu), um barco que reúne as editoras independentes – será palco da exibição do documentário “Impressão Minha”, seguido de debate, com os diretores Daniel Salaroli, Gabriela Leite e João Rabello.

 

Já na sexta-feira, dia 27, às 19hna Casa da Porta Amarela (R. Mal. Deodoro, s/nº) –  tradicional espaço das editoras independentes – o documentário “Impressão Minha” tem outra exibição, também seguida de debate.

E, no sábado, dia 28, às 21h, na Casa Fedrigoni (Av. Otávio Gama, 142) – uma casa dedicada às artes gráficas do livro – acontece a última exibição de “Impressão Minha”.

Idealizadas por produtores culturais e editoras alternativas, as feiras de publicação independente hoje atraem um público de mais de 40 mil pessoas ao ano apenas em São Paulo, principalmente jovens e adultos interessados nas diversas formas de expressão artística em suportes impressos (livros, quadrinhos, fotografia, ilustração, colagens). É a partir desse universo que “Impressão Minha” busca estimular reflexões sobre a cena das publicações independentes hoje, em São Paulo e no Brasil.

Sobre o documentário “Impressão Minha”:

Diante da hegemonia digital, a materialidade do livro ainda instiga. Impressão Minha apresenta a movimentação que acontece em torno dos livros e publicações independentes hoje, em São Paulo e no Brasil. Imerso entre artistas, editores e seus livros, o documentário abre espaço para reflexões sobre o mercado editorial, a liberdade de criação, a suposta oposição entre digital e impresso, o livro como objeto, as técnicas artísticas e de impressão…

O documentário foi realizado por Peripécia Filmes e Avocado Edições, Ministério da Cultura e Governo Federal, com patrocínio da Fedrigoni Papéis, Icatu Seguros e CSU, contando também com apoio de pessoas físicas, por meio da Lei Rouanet.

FICHA TÉCNICA

Título: Impressão Minha

Duração: 27’15’’

Roteiro e Direção: Daniel Salaroli, Gabriela Leite e João Rabello

Fotografia: Raoni Maddalena

Produção: Peripécia Filmes e Avocado Edições

PERSONAGENS DO FILME

Bia Bittencourt, da Plana

Criadora e produtora da Feira Plana, maior evento de publicações independentes do país. Em 2017, na sua 5ª edição, foram mais de 18.000 visitantes na Fundação Bienal. Em 2018 o evento retornou ampliado como Plana Festival, na Cinemateca Brasileira, confirmando seu sucesso.

 

Cecilia Arbolave e João Varella, da Lote 42

Com livros experimentais e conceituais diversos, a Lote 42 é uma das editoras mais famosas da cena. Com dezenas de milhares de pessoas acompanhando sua fanpage no Facebook e um sistema de vendas online que é um sucesso, ainda coloca suas publicações em grandes livrarias e em seu próprio espaço físico de vendas: a Banca Tatuí.

 

Bebel Abreu, da Bebel Books

Produtora cultural, sócia da Mandacaru Design e criadora da Bebel Books, que já publicou dezenas de títulos de ilustração, caligrafia e fotografia, alguns premiados e outros alcançando status de pequenos fenômenos de público.

 

Kátia Fiera

Artista visual que trabalha com o formato de publicação conhecido como “livro de artista”. Sua produção pode ser encontrada no Brasil e no mundo em coleções públicas e em seleções como as da Printed Matter em Nova York.

 

DW Ribatski

Quadrinista independente, artista plástico, ilustrador. Já colaborou com diversas publicações, como o caderno Ilustríssima da Folha de São Paulo e a revista Superinteressante. Publicou diversas HQs e contribuiu para o blog da Cia das Letras com uma coluna mensal de quadrinhos.

 

Gilberto Tomé

Artista gráfico que investiga técnicas de desenho e sistemas de reprodução de imagens, da xilogravura ao digital. Além de atuar como designer no Fonte Design, é sócio da gráficafábrica, onde edita livros artesanais. Seus trabalhos foram apresentados no Itaú Cultural, no Festival Paraty em Foco e na Paris Photo (2015).

 

Douglas Utescher, da Ugra Press

A Ugra é uma loja de quadrinhos underground que vende HQs independentes, alternativas e nacionais, assim como vários outros produtos ligados ao movimento punk e contracultura. A loja já acumula um catálogo com 1.400 títulos.

 

Beto Galvão, da Meli-melo Press

Criador e diretor da Meli Melo Press Estúdio e gráfica de risografia, que revolucionou parte do mercado editorial do Brasil.

Impressão Minha — trailer 1 from Peripécia Filmes on Vimeo.

Inédito no Brasil, documentário sobre Alfredo Jaar chega ao streaming

Inédito no Brasil, documentário sobre Alfredo Jaar chega ao streaming

Trilha sonora é composta por músicas de seu filho, Nicolas Jaar

Documentário inédito no Brasil sobre um dos artistas mais destacados do Chile é destaque desta semana nas plataformas digitais. Alfredo Jaar, artista, cineasta e arquiteto contemporâneo é o protagonista do filme  “JAAR: RETRATOS DA HUMANIDADE”, dirigido por Paula Rodríguez Sickert.

Jaar cria projetos cinematográficos, fotografias e instalações que denunciam a sociedade como ela é. Suas obras refletem seus ideais de vida, tal como “cultura é o nosso capital mais precioso”, ideia que rendeu uma instalação artística.

Um dos seus trabalhos mais conhecidos, This Is Not America, um logotipo “Isso não é América” (1987), consistiu em uma sequência de projeções com vista para uma estação de recrutamento do exército dos EUA, na Times Square. Nela, incluiu o mapa esboçado dos EUA com as palavras “This Is Not América” escrita e a palavra “América” ​​sobreposta a todas as Américas – Norte, Central e Sul.

O artista também foi um dos primeiros a fotografar Serra Pelada, localizada no sudoeste do Pará, registrando garimpeiros e impactando os moradores de Nova Iorque ao exibir essas imagens nas estações de metrô próximas ao Wall Street.  Segundo Jaar, esse projeto foi um dos mais importantes de sua carreira pois o inseriu no mapa mundial da arte.
A trilha sonora do filme é composta por músicas do DJ Nicolas Jaar, filho de Alfredo e fundador de sua gravadora Clown & Sunset.

SINOPSE

Acompanhe o processo criativo e pessoal de Alfredo Jaar, o artista chileno contemporâneo de maior reconhecimento internacional. Para ele, a arte é o último espaço remanescente da sociedade, no qual é possível falar honesta e profundamente.

FICHA TÉCNICA

Produtores: Paola Castillo, Catalina Mac-Auliffe, Ricardo Cantuarias
Roteiro e direção: Paula Rodríguez Sickert
Músicas compostas por Nicolas Jaar e Nascuy Linares
Câmera: John Marques e Enrique Stindt
Montagem: Maria Teresa Viera Gallo
Classificação Indicativa: 16 anos

SERVIÇO

Itunes: R$ 14,90 (venda) ; R$ 7,90 (aluguel)
Now:  R$ 14,90 (aluguel)
VivoPlay: R$ 11,90 (aluguel)
GooglePlay / Youtube:  R$ 29,90 (compra) e R$ 9,90 (aluguel)

Poltrona Estreia/ Estreias da Semana

Poltrona Estreia/ Estreias da Semana

nao-se-aceitam-devolucoesNão Se Aceitam Devoluções: Comédia de André Moraes.

Sinopse: Juca Valente é dono de um quiosque no litoral de São Paulo e só quer saber de diversão. Eterno namorador, ele detesta grandes responsabilidades e não pensa em ter nada sério com ninguém. Mas sua vida toma um rumo totalmente diferente quando uma ex-namorada americana larga um bebê com ele e desaparece. Juca então parte para os Estados Unidos na intenção de devolver a criança, sem nem imaginar que começaria a gostar da ideia de ser pai.

 

bb770c20872c48c70dddf2f8750cab08_XL

Eu Só Posso Imaginar: Drama de Alex Cramer.

Sinopse: Bart Millard é o vocalista da banda cristã MercyMe, e tem o relacionamento conturbado com seu pai, que sempre o tratou de maneira dura e nunca entendeu seu amor pela música. Conseguindo forças através de Deus, Bart resolve então eternizar sua relação em uma canção, “I Can Only Imagine”.

https://poltronadecinema.wordpress.com/2018/05/25/poltrona-cabine-eu-so-posso-imaginar-cesar-augusto-mota/

 

joao-de-deus-o-silencio-e-uma-preceJoão de Deus – O Silêncio É UmaPrece: Documentário com direção de Cande Salles.

Sinopse: A história do famoso médium João de Deus desde sua infância paupérrima no interior de Goiás até o presente momento, onde ele incorpora médicos e parece ter adquirido poderes curativos. Ademais, o documentário também relata a descoberta do dom paranormal e narra o bullying que o médium sofreu daqueles que duvidavam de sua sensibilidade.

 

gnomeu-e-julieta-o-misterio-do-jardim.jpgGnomeu e Julieta: O Mistério do Jardim –  Animação de John Stevenson.

Sinopse: Gnomeu e Julieta chegam à Inglaterra, preocupados em preparar o jardim para a primavera e rever os amigos britânicos. No entanto, a dupla começa a perceber que os gnomos estão sendo sequestrados em toda a cidade. Eles recorrem ao gênio da investigação Sherlock Gnomes que, junto de seu fiel companheiro Watson, embarca numa aventura para solucionar o mistério.

 

paraiso-perdido

 

Paraíso Perdido: Ficção de Monique Gardenberg.

Sinopse: José tem três filhos, sendo um deles adotivo, e é avô de um casal de jovens. Sua família, marcada por perdas e desencontros, tenta ser feliz numa antiga boate chamada Paraíso Perdido, onde cantam músicas populares e românticas.

Por: Vitor Arouca