Poltrona Séries: Scorpion/Luis Fernando Salles

Poltrona Séries: Scorpion/Luis Fernando Salles

Scorpion é uma série de televisão norte-americana criada em 22 de setembro de 2014 e transmitida pela CBS. No Brasil, o seriado pode ser assistido no canal AXN.

Inspirada em uma história real, conta as aventuras do excêntrico gênio, Walter O’Brien, e de sua equipe composta por um comportamentalista (Behaviorismo), Toby, uma calculadora humana, Sylvester, e uma prodígio da mecânica, Happy. Ambos são pessoas ótimas de espírito, mas que não conseguem se socializar com a maioria das pessoas e por isso recebem a ajuda de uma ex-atendente de lanchonete chamada Paige que tem um filho gênio, Ralph.

Quando um problema sério surge no espaço aéreo americano, o agente Cabe Gallo resolve recrutar a equipe de gênios, já que nenhuma outra pessoa é capaz de resolver o problema. A partir daí, e agora com o apoio do governo, eles se tornam oficialmente a equipe Scorpion e tornam-se a última linha de defesa contra ameaças complexas ao redor do mundo.

A série se encontra na 4º temporada, porém corre risco de não ser renovada pelo baixo desempenho na TV americana.

Anúncios
Poltrona Séries: Fuller House-3ª temporada/ Cesar Augusto Mota

Poltrona Séries: Fuller House-3ª temporada/ Cesar Augusto Mota

Parece que foi ontem, a série Full House (Três é Demais, no Brasil), completou 30 anos de existência esse ano, para a felicidade dos fãs. Para celebrar a data, a Netflix liberou há poucas semanas os episódios da terceira temporada de Fuller House, série derivada da original, trazendo de volta os personagens do grande sucesso veiculado na TV por assinatura e na aberta, pelo SBT. O que era para ser nostálgico e de muito sucesso, acabou com uma pontinha de decepção.

Nos 9 episódios disponibilizados pelo serviço de streaming, os personagens Danny Tanner, Joey e Jesse, interpretados respectivamente por Bob Saget, Dave Coulier e John Stamos aparecem esporadicamente, um episódio para cada um. Os três atores tiveram grande importância no sucesso de 8 anos em que Full House ficou no ar, mas colocar Coulier, Stamos e Saget com participação reduzida deu um gostinho de quero mais, afinal, todos eles brilharam em cena e em dados momentos bastava uma simples aparição para o público sorrir e aplaudir.

Tirando a participação abreviada dos três atores, a terceira temporada está ótima, com uma excelente química entre o elenco consagrado e os novos atores recrutados. Vamos constatar temáticas muito interessantes na medida em que os episódios forem passando, como família, responsabilidade no trabalho, fertilidade, dramas amorosos e dilemas na adolescência. Tudo é muito bem conduzido pelas atrizes Candace Cameron, a DJ, Jodie Sweetin, a Sthephanie e Andrea Barber, a Kimmy. As três retornam e com uma irmandade ainda mais forte, mas as personagens terão que mostrar mais força e jogo de cintura, tendo em vista que DJ e Kimmy já são mães e tem maiores responsabilidades com os filhos, e Steph vive dilemas, como dificuldade em arranjar trabalho e tem o desejo de ser mãe e tenta todos os tipos de tratamento. Tudo é devidamente contornado e as três amigas tiram de letra todas as pedras colocadas no caminho, e com direito a vários micos.

Outro ponto forte é o desempenho do núcleo infantojuvenil, com ótimas tiradas de Elias Harger, o Max Tanner, segundo filho de DJ. Ele nos brinda com uma linda cena no começo do primeiro episódio, com a canção ‘Best Summer Ever’, na qual todo o elenco participa. Apesar da pouca idade, o garoto mostra que a vida não está às mil maravilhas e nos dá importantes lições. Michael Champion, o Jackson, filho mais velho de DJ, é o típico adolescente que enfrenta os problemas mais comuns, como dificuldades com os estudos e a descoberta do primeiro amor. Jackson nos diverte muito nas cenas em que divide o quarto com Max, os dois só faltam se matar. E a jovem Ramona (Soni Nicole Bringas) não fica atrás, ela demonstra muita cumplicidade na relação que tem com a mãe, Kimmy, além de passar por perrengues que todo adolescente enfrenta.

Se você ainda não viu, corra para ver Fuller House, a série é muito divertida, para toda a família, com muita diversão, risos e muitas mensagens importantes. Vale a pena!

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

Heco Produções lança série sobre História da Alimentação no Brasil

Heco Produções lança série sobre História da Alimentação no Brasil

Dia 06 de novembro estréia a série História da Alimentação no Brasil, produzida pela Heco Produções e dirigida por Eugenio Puppo, baseada no livro homônimo de Luís da Câmara Cascudo, lançado em 1967. Com 13 episódios de 30 minutos, a série vai ser exibida no canal pago Cinebrasil TV. O livro, um vigoroso tratado de 900 páginas, comemora 50 anos de lançamento em 2017 e é até hoje o maior registro histórico e sociológico sobre a culinária brasileira. Dividida em duas partes, a obra faz um minucioso levantamento das tradições alimentares brasileiras, fruto da miscigenação entre povos originários do Brasil, da população africana escravizada e dos portugueses.

Cascudo viajou pelo Brasil de 1943 a 1962, debruçou-se sobre vasta bibliografia e foi à África conhecer as origens de vários dos nossos pratos para escrever a obra. Desta forma, as locações incluem cidades brasileiras – Bahia, Pará, Maranhão, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Pernambuco -, e 11 cidades portuguesas, dentre elas Lisboa, Porto, Évora e Mirandela, retratando desde a doçaria conventual (como os pastéis de Tentúgal), às Tripas à moda do Porto e os Cuscos transmontanos.

A série História da Alimentação no Brasil traz depoimentos de diversos personagens brasileiros, chefs, artistas, estudiosos e personagens anônimos de diversas regiões do Brasil e de Portugal. A seleção de entrevistados inclui Carlos Alberto Dória (sociólogo), Mara Salles (chef), Ana Luiza Trajano (chef), Alberto da Costa e Silva (historiador), Chico César (cantor), José Avillez (chef). Além do material original, a série utiliza material de arquivo, com longas e curtas-metragens de Humberto Mauro, Heinz Forthmann, Caravana Farkas, e obras do acervo do Instituto Câmara Cascudo, CTAV, Museu do Índio, Cinemateca Portuguesa, Câmara Municipal de Lisboa e acervos particulares.

A estreia do episódio 1,  A Rainha do Brasil, mostra a mandioca, um dos primeiros alimentos citados nos registros portugueses, como um ingrediente essencial. Um narrador pontua os episódios com informações históricas na forma de trechos breves do livro e as cenas são entremeadas por imagens de feiras brasileiras icônicas, preparação de pratos, reproduções de livros, pinturas, trabalhos artísticos e fotos antigas. A trilha sonora, original, incorpora uma multiplicidade enorme de ritmos africanos, brasileiros e portugueses, misturando referências tradicionais e contemporâneas.

 

Episódio 01 – A Rainha do Brasil

Nativa do Brasil e ingrediente básico da culinária indígena, a mandioca foi descrita pelos cronistas portugueses já nos primeiros registros sobre a flora brasileira. Muito consumida em todas as partes do país até os dias de hoje, é um dos produtos-chave para entender nossa alimentação. Não à toa, recebeu de Câmara Cascudo o título de realeza.

O primeiro episódio de História da Alimentação no Brasil nos leva até o Pará para acompanhar a fabricação artesanal da farinha de mandioca, mostra-nos a riqueza de adaptações e derivações proporcionadas pela planta e revela o resgate da tradição que cozinheiros brasileiros têm feito ao oferecer pratos com mandioca em seus restaurantes.

Personagens: Seu Bené (professor da farinha); Carlos Alberto Dória (sociólogo); Rivandro França (cozinheiro – Cozinhando Escondidinho); Maria Antónia Góes (pesquisadora e escritora); Thiago Castanho (cozinheiro – Remanso do Bosque); Mara Salles (cozinheira – Tordesilhas); Anna Maria Cascudo (filha de Luís da Câmara Cascudo); Daliana Cascudo (neta de Luís da Câmara Cascudo); Chico César (cantor e compositor); Telma Machado (pesquisadora e empresária); Cláudio Lobato (comerciante); Letícia Massula (pesquisadora e cozinheira – Cozinha da Matilde); Priscila Lourenço (comerciante); Trabalhadores da casa de farinha da Tabua; Moradores da aldeia indígena TekoaPyau.

 

Locais: Bragança – Pará; São Paulo – São Paulo; Recife – Pernambuco; Alvito – Portugal; Belém – Pará; Natal – Rio Grande do Norte; Pirenópolis – Goiás; Rio de Janeiro – Rio de Janeiro; São Miguel do Gostoso – Rio Grande do Norte.

 

Poltrona Séries: Atypical/ 1ª temporada

Poltrona Séries: Atypical/ 1ª temporada

A Netflix está a cada dia trazendo novidades e abordando temas de forma dinâmica e ousada. Já foi assim sobre bullying, a representação das minorias, o suicídio, e agora um tema delicado e pouco discutido, o autismo.

‘Atypical’, produção recém-lançada, possui 8 episódios em sua primeira temporada e com criação da roteirista Robia Rashid, de “How I Met Your Mother”. Já temos ideia do que vem por aí, tendo em vista que Robia aborda histórias de maneira dramática e com um pouco de veia cômica, não é verdade?

A história traz a jornada do jovem Sam (Keir Gilchrist), prestes a terminar o ensino médio, mas com traços de autismo. O protagonista começa uma saga incansável em busca de seu primeiro amor e enfrenta uma jornada de amadurecimento e novas experiências de vida.

Os personagens são retratados de maneira sutil no primeiro episódio, assim como os dramas pessoais de cada um. Além de Sam, conhecemos os pais dele, Doug (Michael Rapaport) e Elsa Garnier (Jennifer Jason Leigh), ambos superprotetores, mas com alguns segredos guardados que vão ser revelados aos poucos. A irmã de Sam, Casey (Brigette Lundy-Paine), também começa a ter sua primeira experiência amorosa e enfrenta alguns dilemas da adolescência.

O núcleo  da série também é destaque, pois traz riqueza e maior amplitude à história, o autismo não é apenas um mal que aflige crianças e adolescentes, é um problema social e que ainda não é encarado de forma adequada e é difícil de ser contornado. Você nota a dificuldade das pessoas ao redor de Sam em lidar com seu problema e em muitas ocasiões travam, sequer sabem o que fazer.

Há alguns momentos engraçados na série, mas você não ri de Sam, mas de algumas situações nas quais ele se envolve. Há diversão em diversas ocasiões, mas rapidamente o espectador volta para o contexto da história e reflete sobre o autismo, as peculiaridades e o motivo de ele ser abordado com profundidade na série.

As atuações dos atores são muito competentes, eles conseguem criar uma empatia com o público e fazem os espectadores se envolverem com a história e torcer pelos personagens, principalmente por Sam e Casey, dois irmãos unidos e que apresentam uma evolução impressionante durante a história. Michael Rapaport e Jennifer Jason Leigh também conseguem se destacar, mas seus personagens se mostram um tanto distantes, eles não parecem estar do mesmo lado e se apresentam um tanto desligados, mas conseguem imprimir uma realidade vivida por muitas famílias e o drama que muitos pais vivem com filhos em casa que apresentam traços de autismo, há sinceridade e autenticidade nas atuações do casal.

‘Atypical’ sem dúvida nos fará olhar para a vida com outros olhos, uma produção com um enfoque mais sensível e humano e que tocará seu coração. Vale a pena conferir.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

Netflix cancela a série “GYPSY”

Netflix cancela a série “GYPSY”

388863

GYPSY é uma série dramática e de suspense com direção de Lisa Rubin e Naomi Watts como protagonista.

Jean Holloway (Naomi Watts),  é uma terapeuta que começa a desenvolver perigosas e íntimas relações com pessoas importantes das vidas de seus pacientes. A série teve apenas uma temporada com 10 episódios.

Elenco: Naomi Watts, Billy Crudup, Sophie Cookson, Karl Glusman, Brooke Bloom, Lucy Boynton, Melanie Liburd e Brenda Vaccaro.

Por: Vitor Arouca

 

Poltrona Séries: Friends from College/ 1ª temporada

Poltrona Séries: Friends from College/ 1ª temporada

Sem dúvida você conhece o ditado popular ‘A vida começa aos 40’, não é? Pois bem, a nova série da Netflix, ‘Friends from College’ vai abordar o cotidiano de 6 amigos que se reencontram em Nova York após 20 anos e depois de terem se graduado em Harvard, mas com questões do passado mal resolvidas e alguns dilemas atordoantes do presente.

A série foi criada por Francesca Delbanco e Nicholas Stoller, o segundo famoso por dirigir Vizinhos e Vizinhos 2, com pouco sucesso de público e crítica. Ambos lançam um trabalho apostando em temas como traição, frustração com a carreira, crise de identidade e claro, reencontros, e todos os personagens estão na casa dos 40 anos.

Por falar nos protagonistas, temos Ethan; interpretado por Keegan-Michael Key, um escritor que passa por crise criativa e não consegue ter retorno com a vendagem de seus livros. Ethan teve um relacionamento no passado com Sam (Annie Parisse); casada com um milionário e que também não consegue se esquecer desse momento marcante e vive uma crise de identidade, sem saber quem é e o que quer.

Temos também Lisa (Cobie Smulders; a Robin de How I Met Your Mother), advogada e casada com Ethan, mas que enfrenta dificuldades de engravidar e não está motivada com seu atual trabalho, de diretora jurídica de uma firma.

Para completar o sexteto, Max (Fred Savage, o Kevin de Anos Incríveis); amigo de Ethan e que vai ter uma importância enorme no próximo sucesso de trabalho do escritor, Marianne(Jae Suh Park ); dramaturga e amiga que segura as pontas de Lisa e Ethan, e Nick(Nat Faxon ); ex-namorado de Lisa e que leva uma vida boêmia e sem regras.

As atuações são brilhantes, muitas beiram ao verossímil, como Keegan-Michael Key e Cobie Smulders, e sobre temas cada vez mais recorrentes no cotidiano, como a frustração da formação em uma grande faculdade e não corresponder às expectativas de Ethan, e a decepção com o trabalho e a falta de expectativas para o futuro, com a personagem de Smulders. E os demais atores não ficam atrás, Annie Parisse mostra com sua atuação que Sam tem dificuldades de se libertar do passado e tem medo de envelhecer, mas ao mesmo tempo acredita que nunca é tarde para reparar os erros e recomeçar.

O roteiro apresenta situações surreais, que favorecem a liberdade de atuação dos atores, mas algumas situações são exageradas e podem causar repulsa no espectador, como o processo utilizado por Ethan e Max para o novo roteiro do escritor, um novo conto de lobisomens, sem falar no que Nick e Lisa aprontam, e as tramoias de Ethan e Sam para não serem descobertos, seja por Lisa ou outro amigo. Mas o núcleo da série atende as principais propostas, de despertas o sentimento de nostalgia nas pessoas, de como era a vida nos tempos de faculdade, sem se esquecer do presente e no planejamento futuro de curto a médio prazo, como a luta pelo sucesso e felicidade. Algumas situações retratadas podem fazer quem assiste se identifique com alguma, bem como com o perfil de algum dos personagens. Uma produção bem construída e que realmente chama a atenção.

A Netflix segue apostando em séries com dosagem de drama e comédia, mas com algumas situações tragicômicas e sem controle, mas vem obtendo resultados, e ‘Friends from College’ pode ser um deles. Não se sabe se vai haver uma segunda temporada, mas há gancho para que novos conflitos aconteçam e novas emoções serem transmitidas, vamos aguardar.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

HBO divulga fotos inéditas do segundo episódio da nova temporada de Game of Thrones

HBO divulga fotos inéditas do segundo episódio da nova temporada de Game of Thrones

A HBO acaba de divulgar novas fotos da sétima temporada da série original Game of Thrones. As imagens são do segundo episódio da nova temporada, “Stormborn”, que vai ao ar no domingo, 23 de junho, às 22h. A série baseada na saga literária “As Crônicas de Gelo e Fogo”, de George R. R. Martin, se tornou um dos maiores sucessos da HBO dos últimos tempos.

 

Sobre HBO Latin America 

A HBO Latin America é a rede de televisão por assinatura premium líder na região, respeitada pela qualidade e pela diversidade de seu conteúdo exclusivo incluindo séries, filmes, documentários e produções originais. A programação é exibida em HD em mais de 40 países da América Latina e do Caribe por meio dos canais HBO, HBO2, HBO Signature, HBO Plus, HBO Family, HBO Caribbean, MAX, MAX Prime, MAX UP, MAX Caribbean e Cinemax. O conteúdo também está disponível nas plataformas HBO GO, Cinemax GO e HBO OnDemand.