O Rei Leão: Sucesso da Disney pode ganhar versão live-action após ‘A Bela e a Fera’

O Rei Leão: Sucesso da Disney pode ganhar versão live-action após ‘A Bela e a Fera’

Após lançar ‘A Bela e a Fera’ na última quinta-feira (16), a Disney já pensa em seu próximo live-action inspirado em uma animação de sucesso. De acordo com o site Omega Underground, a próxima produção a ter sua versão com atores será ‘O Rei Leão’, com filmagens previstas para o início de maio, em Los Angeles.

Parte do elenco já está definido. Simba será interpretado por Donald Glover (Atlanta, Han Solo: A Star Wars Story), já James Earl Jones (voz de Darth Vader, da franquia Star Wars) dará vida à Mufasa, mesmo personagem que interpretou na animação de 1994.

Jon Favreau será o diretor da nova versão de ‘O Rei Leão’. O cineasta dirigiu o remake de ‘Mogli: O Menino Lobo’ e será responsável por sua continuação.

A animação ‘The Lion King’, lançada em 1994, foi um dos maiores sucessos da Disney, com arrecadação global de US$ 968 milhões. O filme foi indicado quatro vezes ao Oscar e levou dois prêmios: de Melhor Canção Original (“Can You Feel The Love Tonight”) e Melhor Trilha Sonora.

A estreia do live-action ‘O Rei Leão’ está prevista para 2018.

Por: Cesar Augusto Mota

Top 5 Filmes Baseados em HQs que Você Não Conhece

Top 5 Filmes Baseados em HQs que Você Não Conhece

Salve galera.

Hoje está na moda os filmes baseados em HQs. Vários personagens estão saindo das páginas das revistas e pulando para as telas de cinema: Dr. Estranho, Vingadores, Batman, Homem de Ferro, Superman entre outros.

Mas existem diversos filmes que são baseados em revistas que talvez você não conheça, seja porque os personagens não fazem sucesso nas bancas ou são baseados em uma graphic novel especifica.

Então vamos ao Top 5 filmes baseados em HQs que você não conhece.

 

5 – Do Inferno (From Hell)

Data de publicação da HQ: 1989

Do Inferno HQ.jpg

Data de lançamento do filme: 2001

Do Inferno Filme.jpg

Apesar de ser totalmente contra as adaptações de suas obras, Alan Moore é uma grande fonte inspiradora para o cinema.

A revista Do Inferno é baseada na teoria sobre a possível identidade de Jack, o Estripador, enquanto o filme estrelado por Johnny Depp e Heather Graham é focado em um policial com poderes mediúnicos que investiga uma série de assassinatos em Londres.

Qual é melhor: disparado a HQ.

 

4 – Estrada para a Perdição (Road to Perdition)

Data de publicação da HQ:  1998

Estrada para Perdição HQ.jpg

Data de lançamento do filme: 2002

Estrada para Perdição Filme.jpg

A história de Estrada para Perdição não foi alterada na adaptação para as telas, levando o leitor / espectador para a Grande Depressão que atingiu os EUA no final da década de 20.

Tanto a HQ quanto o filme são focados em um homem que para sobreviver, recorre a única oportunidade que aparece: o crime. Michael Sullivan (Tom Hanks), um assassino da máfia que acaba se desentendo com o chefe do submundo de Chicago e decide enfrentar o crime organizado para proteger seu filho.

O elenco do filme deu um brilho extra para a história: Tom Hanks, Paul Newman, Jude Law, Jennifer Jason Leigh, Stanley Tucci e Daniel Craig. E a direção de Sam Mendes está intocável. Vale destacar que o filme foi indicado para 6 Oscars: melhor ator coadjuvante (Paul Newman), melhor direção de arte (Dennis Gassner e Nancy Haigh), melhor fotografia (Conrad Hall, que acabou ganhando), melhor trilha sonora original (Thomas Newman), melhor som (Scott Millan, Bob Beemer e John Pritchett) e melhor edição de som (Scott Hecker).

Qual é melhor: o páreo é duro, mas o filme é levemente melhor por causa do elenco.

 

3 – Marcas da Violência (A History of Violence)

Data de publicação da HQ: 1997

Marcas da Violencia HQ.jpg

Data de lançamento do filme: 2005

Marcas da Violencia Filme.jpg

Uma história pesada e que brilha tanto nas HQs quanto no cinema.

Tom Stall (Viggo Mortensen) é um pai de família e dono de uma lanchonete, que acaba ganhando as manchetes dos jornais depois que ele mata 2 adolescentes que tentam assaltar seu estabelecimento.

E após este incidente, sua família acaba descobrindo um passado de violência e crimes que Stall tentava esquecer e esconder da sua família.

Novamente o elenco é composto somente de nomes de primeira linha: Viggo Mortensen, Maria Bello, Ed Harris e William Hurt. E a direção ficou por conta de David Cronenberg.

Qual é melhor: o filme, mas novamente o vencedor foi escolhido por pouco.

 

2 – Anti-Herói Americano (American Splendor)

Data de publicação da HQ: 1976

Anti Heroi Americano HQ.jpg

Data de lançamento do filme: 2003

Anti Heroi Americano Filme.jpg

A HQ conta a história de Harvey Pekar (Paul Giamatti), um homem desiludido, que se encontra sem sentido na vida e acaba usando suas frustrações como fonte de inspiração para a revista American Splendor. O foco das histórias é seu dia a dia, em situações corriqueiras para as pessoas, mas sempre com um toque de humor e tragédia.

Vale destacar que ele é amigo de Robert Crumb (James Urbaniak), uma das maiores lendas das HQs do mundo. E o próprio Crumb foi uma das fontes de inspiração de Pekar, chegando inclusive a ajudá-lo a criar a série e desenhando as primeiras edições.

Qual é melhor: excelente filme, mas a HQ com os traços de Crumb ainda é insuperável.

 

1 – Azul é a Cor Mais Quente (Le Bleu est une Couleur Chaude – nome original da HQ / La Vie d’Adèle – Chapitres 1 & 2 – nome original do filme)

Data de publicação da HQ: 2010

Azul é a Cor Mais Quente HQ.jpg

Data de lançamento do filme: 2013

Azul é a Cor Mais Quente Filme.jpg

Um filme que ganhou muito destaque, sendo considerado uma das melhores produções francesas no ano do seu lançamento.

Tanto HQ quanto filme contam a história de Adèle (Adèle Exarchopoulos), uma estudante de segundo grau, que acaba descobrindo sua sexualidade ao se apaixonar pela pintora Emma (Léa Seydoux). E ambos acompanham Adèle e como este romance se estende durante sua vida, desde adolescente até se tornar adulta.

Um filme ousado e forte, como outras produções francesas. Imperdível.

Qual é melhor: empate.

@guimaraesedu

Jennifer Aniston volta ao cinema no filme “Dumplin”

Jennifer Aniston volta ao cinema no filme “Dumplin”

28226O último filme da atriz foi “A ùltima Ressaca do Ano (2016). Agora Jennifer começa a estudar para interpretar a Rosie, uma ex-miss que organiza concursos de beleza no Texas e é mãe de uma filha  gordinha, mas sua herdeira se sente muito bem com o seu corpo.

Dumplin conta a história da adolescente Willowdean Dickson, filha de Rosie, que, mesmo não correspondendo aos padrões de magreza, sempre esteve à vontade com o próprio corpo. Porém, por conta de novas amizades, a garota passa a duvidar de si mesma e resolve se inscrever em um concurso de beleza junto de outras candidatas improváveis para mostrar que merece estar ali tanto quanto qualquer outra garota magra.

A película seria produzida pela Disney, mas quem produz agora é a Cota Films. A diretora do filme é a Anne Fletcher ( A Proposta, Vestida Para Casar, Belas e Perseguidas).Não há data de lançamento.

Por: Vitor Arouca

Poltrona Estreia/ Estreias da Semana/ Parte 2

Poltrona Estreia/ Estreias da Semana/ Parte 2

Por um Punhado de Dólares-Os Novos Emigrados

Documentário, direção de Leonardo Dourado.

Sinopse: Cerca de 200 milhões de imigrantes saem de seus países anualmente, enviando para suas casas cerca de US$ 400 bilhões. Três famílias representam esta estatística: José Luis Vásquez, que largou tudo no México para ganhar a vida nos Estados Unidos; Seidi e Leonardo Takano, irmãos brasileiros que foram para o Japão em busca de dinheiro para saldar uma dívida do pai; e Ibrahim Suware, que deixou Gâmbia, foi para a Alemanha e agora se divide entre a família alemã e a africana.

 

 

Era o Hotel Cambridge

Filme de drama, direção de Eliane Caffé.

Sinopse: Refugiados recém-chegados ao Brasil dividem com um grupo de sem-tetos um velho edifício abandonado no centro de São Paulo. Além da tensão diária que a ameaça de despejo causa, os novos moradores do prédio terão que lidar com seus dramas pessoais e aprender a conviver com pessoas que, apesar de diferentes, enfrentam juntos a vida nas ruas.

 

 

Estopô Balaio

Documentário, direção de Cristiano Burlan.

Sinopse: O trabalho do coletivo Estopô Balaio, grupo teatral que há cinco anos desenvolve um processo artístico a partir das experiências dos moradores do Jardim Romano, bairro localizado na periferia de São Paulo, com as águas das enchentes que assolaram suas vidas durante dez anos.

 

 


Fátima

Filme de drma, direção de Philippe Faucon.

Sinopse: Fátima cria sozinha as duas filhas: Souad, de 15 anos, adolescente rebelde; e Nesrine, de 18 anos, começando os estudos de medicina. Ela não fala bem francês, o que frustra sua comunicação com as filhas, mas ainda assim ambas são a razão para que ela siga em frente. Um dia, em seu emprego como empregada doméstica, ela cai de uma escada. Convalescendo, escreve em árabe tudo o que nunca conseguiu dizer às filhas em francês.

 

 

Pedro Osmar-Prá Liberdade que se Conquista

Documentário, direção de Pedro Osmar.

Sinopse: Pedro Osmar é um grande artista paraibano, apesar de pouco conhecido pelo Brasil. Além de suas músicas ja terem sido gravadas por nomes como Elba Ramalho, Lenine, Zé Ramalho e Zeca Baleiro, esse nordestino talentoso já escreveu muitos textos que foram montados para o teatro. O músico, poeta e artista plástico iniciou sua carreira em 1970, nos festivais de MPB de João Pessoa, e, desde então, segue encantando muitas pessoas.

 

 


História Antes de uma História

Animação, direção de Wilson Lazaretti.

Sinopse: Dr. K é um velho senhor que gosta de caminhar bastante, sempre curioso e em busca de novos conhecimentos. À certa altura do caminho, estranhos e misteriosos objetos começam a aparecer em sua estrada. Aos poucos, Dr. K percebe que os objetos na verdade vão ajudá-lo a desvendar um mistério muito maior: as técnicas corretas para criar uma animação.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

Poltrona Estreia/ Estreias da Semana/Parte 1

Poltrona Estreia/ Estreias da Semana/Parte 1

A Bela e a Fera

Filme de romance/live action. Direção de Bill Condon

Sinopse: Moradora de uma pequena aldeia francesa, Bela (Emma Watson) tem o pai capturado pela Fera (Dan Stevens) e decide entregar sua vida ao estranho ser em troca da liberdade dele. No castelo, ela conhece objetos mágicos e descobre que a Fera é, na verdade, um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana.

 

 

Tinha que ser Ele?

Filme de compedia, direção de Johm Hamburg.
Sinopse: Ned (Bryan Cranston) leva a família inteira para visitar a querida filha Stephanie (Zoey Deutch) durante o feriado do Natal, mas ao encontrá-la entra em conflito com o namorado dela (James Franco), um rapaz excêntrico que ficou rico por causa da internet.

 

 

O Filho de Joseph

Filme de drama, direção de Eugène Green.

Sinopse:Vincent (Victor Ezenfis) é um jovem que vive com a sua mãe. Sem nunca ter conhecido seu pai, ele sai em busca de sua identidade. As investigações o levam a um cínico e maquiavélico publisher em Paris, que o fará tomar decisões drásticas.

 

 

Os Cowboys

Filme de drama, direção de Thomas Bidegain.

Sinopse: Alain (François Damiens) é um dos pilares da comunidade, junto com a esposa e o casal de filhos. Mas quando sua filha Kelly, de apenas 16 anos, desaparece com o namorado muçulmano ele vai atrás da menina e não desiste de procurá-la. Sua vida normal fica para trás e ele leva consigo o filho Kid (Maxim Driesen), que sacrifica sua juventude pela empreitada.

 

 

La Vingança

Filme de comédia, direção de Fernando Fraiha

Sinopse: Dois amigos caem na estrada com destino a Buenos Aires, a bordo de um Opala laranja 72, com uma missão: conseguir ficar com o maior número de mulheres possível. Isso tudo é um plano para lavar a honra de Caco, um homem de trinta e poucos anos que pegou sua namorada na cama com um argentino.

 

 

Jonas e o Circo sem Lona

Documentário, direção de Paula Gomes.

Sinopse: Aos 13 anos de idade, Jonas é filho e neto de artistas de circo. O garoto tem seu próprio circo improvisado, frequentado pelos moradores do pobre bairro onde vive, na Bahia. É ele quem coordena os números, prepara os figurinos, a música e controla os ingressos. Jonas pretende abandonar a escola para se juntar ao tio e viver num circo itinerante, mas a mãe prefere que ele permaneça na escola. No meio desta briga, ele descobre as dificuldades da vida adulta.

 

 

Eles Só Usam Black Tie

Filme de drama, direção de Sibs Shongwe-La Mer.

Sinopse: Um ano após o sombrio suicídio de uma menina misteriosamente transmitido ao vivo na internet, um grupo de jovens ricos vive, em Joanesburgo, em busca de respostas, drogas, distração e salvação. A tragédia os obriga a reavaliar suas próprias vidas e debater assuntos como raça, política e sexualidade.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

 

Poltrona Cabine: Tinha que ser Ele?/ Cesar Augusto Mota

Poltrona Cabine: Tinha que ser Ele?/ Cesar Augusto Mota

Uma comédia pastelão, recheada de piadas prontas, diálogos com muitos palavrões e roteiro previsível. Assim é “Tinha que ser Ele?”, filme dirigido por John Hamburg e produzido por Ben Stiller, que chega ao circuito nacional nesta quinta-feira (16) com sensação de déjà-vu.

Déjà-vu? Quem leu a sinopse verá que se trata da história de Ned Flaming (Bryan Craston), que vai para a Califórnia passar o Natal com a família e vai visitar a filha Sthepanie (Zoey Deutch). Ao chegar lá, conhece Laird Mayhew (James Franco), um programador de aplicativos e jogos para vídeo games bem sucedido e que vive numa casa digitalizada, com artigos exóticos e, por incrível que pareça, sem papel. A impressão de Ned é a pior possível, e o pai superprotetor e rabugento de Sthepanie fará de tudo para que Laird não se case com a filha.

Esse roteiro me faz lembrar do filme “Entrando numa Fria”, com o pai ranzinza protagonizado por Robert de Niro. Se vemos coincidência no enredo, há também na direção e no roteiro, que está também a cargo de John Hamburg. Já dá para perceber o que devemos esperar dessa nova produção, não é mesmo?

Com roteiro previsível e piadas manjadas, nos deparamos também com um verdadeiro embate, uma briga de cão e gato entre Ned e Laird, com direito a golpes marciais e parkours praticados por Laird, tornando algumas cenas mais interessantes. Além disso, vemos um contraponto entre passado e futuro. Ned possui uma gráfica e que está prestes a falir, já Laird tem visão de futuro e possui uma grande empresa desenvolvedora de aplicativos. Temos a ideia implícita de um futuro que é iminente (Laird) e de um passado prestes a ser deixado de lado (Ned).

Falei em confronto entre namorado e futuro sogro, mas ambos os personagens, Ned e Laird, são seres humanos puros e de bom coração, mas com personalidades díspares. Enquanto Ned é conservador e protege demais a filha Sthepanie, Laird tenta agradar de todos os modos, mas não consegue em boa parte das vezes por ser muito atirado, desbocado e sem limites. E Sthepanie, que está no centro dessas rusgas, será o fiel da balança para o desfecho da trama, com atitudes decisivas e que vão mexer no núcleo da história.

Se o enredo parece batido, as atuações do elenco são o ponto alto, com excelentes intervenções de Bryan Cranston e James Franco, além de Megan Mulally, que dá vida à Barbara Flaming, mãe de Sthepanie, facilmente envolvida por Laird e protagonista de cenas hilárias ao lado do marido. Atores de primeira e que proporcionam momentos divertidos.

Se você é fã de filmes com humor escatológico, ritmo lento e desfecho de simples resolução, você está no filme certo. E aguente mas um pouco, há cenas pós-créditos que farão você ficar de queixo caído, não vá perder!

 

Esportes na Poltrona/ Eternos Campeões/ Vitor Arouca

Esportes na Poltrona/ Eternos Campeões/ Vitor Arouca

bd3c846c35aa8f0232969cfcd7885a65f4b0462d.jpgDizem que a terceira idade é a melhor época da vida, mas muitos senhores e senhoras lamentam o fato da idade avançada estar ligada as dores e ao uso de remédios.

O documentário “Eternos Campeões”mostra o lado bom de ser idoso. Nele vemos a quantidade de atletas com mais de 65 anos que treinam para a Olimpíada Sênior e a felicidade por serem ativos.

“Eternos Campeões” da Netflix destaca o senhor, Roger, de 100 anos que joga tênis, um time de basquete feminino, irmãos de 88 anos que são nadadores e idosos que disputavam provas de atletismo, como corrida e salto com varas.

Vale à pena assistir o documentário que mostra o verdadeiro espírito esportivo e que não existe idade para competir e realizar atividades físicas.

Nota: 10/10