Poltrona Cabine: Assassinato no Expresso do Oriente/ Cesar Augusto Mota

Poltrona Cabine: Assassinato no Expresso do Oriente/ Cesar Augusto Mota

Está chegando ao circuito nacional mais um filme baseado em livro, cujo foco é a resolução de um crime, com diversas pistas, vários suspeitos e um detetive com muita astúcia, excentricidade e perfeccionismo. De quebra, uma representação elegante dos anos 1930 e um elenco de peso, estou falando de Assassinato no Expresso do Oriente, inspirado na obra homônima de Agatha Christie e dirigida por um cineasta cometente e responsável pelo sucesso de franquias como Thor e Cinderela.

Logo de cara já somos apresentados ao personagem principal da história, que começa a resolver um caso de roubo de um importante artefato em Jerusalém, com três suspeitos postos lado a lado em frente ao Muro das Lamentações. Com seu jeito peculiar, Hercule Poirot, interpretado por Kenneth Branagh, que também dirige o longa, nos surpreende por seus procedimentos precisos e nada convencionais e convence o público com seu jeito sério, sedento por perfeição e com boas doses de humor. Quem acompanha já compra seus métodos e vê tudo isso posto à prova após o detetive viajar no Expresso do Oriente na esperança de ter três dias de folga e chegar ao seu destino, mas se deparar com o assassinato a facadas do mafioso Edward Ratchett (Johnny Deep), que já possuía um passado para lá de tenebroso.

O elenco é composto de grandes nomes, como Josh Gad (A Bela e a Fera), Penélope Cruz (Vicky Cristina Barcelona), Michelle Pfeiffer (Mãe!), Willem Dafoe (A Culpa é das Estrelas) e Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força), mas os arcos dramáticos dos personagens interpretados por eles não são tão explorados como o do detetive Poirot, que até demonstra uma mudança drástica de postura, sem justificativa aparente. E eles ficam tanto tempo sumidos da tela que em dados momentos nos esquecemos que os atores estão na trama, tão complexa e de complicada resolução.

O enredo apresenta uma história envolvente, com ótimos ingredientes, atuações excepcionais e uma profundidade inimaginável, não dá para perder nenhum detalhe e tampouco descartar qualquer suspeito pelo assassinato de Ratchett. Na medida em que o detetive Poirot vai encontrando mais pistas e interrogando os acusados, mais difícil fica a resolução do caso, cada personagem carrega um segredo que pode fazer o jogo mudar, mas sempre que achamos que a solução vai aparecer, algo novo surge e ficamos ainda mais tensos. A aposta numa história complexa e cheia de percalços foi quase certeira, o ritmo cai muito do meio para o fim e o desfecho deixa a desejar, com a sensação de que o filme não está completo, além de uma sensação de leve desconforto.

Como pontos positivos, além da atuação de Branagh, temos uma excelente fotografia, bem como uma eficiente direção de arte, que remonta muito bem a década de 1930, com um Expresso do Oriente suntuoso e ambientes bens construídos, como as cabines dos passageiros, além de corredores estrondosos e uma vibrante trilha sonora. Um filme que apresenta elegância, vibração e o mistério como bom fio condutor, mas que perde na reta final da trama. Uma viagem boa que o espectador faz, com uma conclusão decepcionante e com algumas lacunas.

Fãs de literatura e de um bom filme de mistério, não vá com tanta sede ao pote, ‘Assassinato no Expresso do Oriente’ é um bom filme, mas não entrega tudo o que poderia ao seu espectador. Vamos aguardar pela sequência, ‘Morte no Nilo’, que deverá explorar muito mais as características e as virtudes do detetive Hercule Poirot e trazer um enredo ainda mais dramático e situações cômicas e com maior profundidade. Aguardar e conferir.

Avaliação: 3/5 poltronas.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

Anúncios
Michelle Pfeiffer fica devastada ao ver “Mãe”

Michelle Pfeiffer fica devastada ao ver “Mãe”

Em vídeo inédito divulgado pela Paramount Pictures, Michelle Pfeiffer fala sobre a reação visceral que teve após assistir ao resultado final do longa “Mãe!”. Integrante do elenco ao lado de Jennifer Lawrence, Javier Bardem e Ed Harris, a atriz conta que, mesmo conhecendo a trama, ficou devastada após sessão do filme. Para assistir ao depoimento, clique aqui.

Em ‘Mãe!’, a relação de um casal é testada quando visitantes não esperados chegam à sua casa e atrapalham a tranquilidade da família. Do diretor Darren Aronofsky (de “Cisne Negro” e “Requiem para um Sonho”), “Mãe!”é um suspense psicológico sobre amor, devoção e sacrifício. Com distribuição da Paramount Pictures, o filme chega aos cinemas brasileiros em 21 de setembro.

 

Paramount Pictures divulga primeiro trailer de ‘Mãe!’, novo longa de Darren Aronofsky

Paramount Pictures divulga primeiro trailer de ‘Mãe!’, novo longa de Darren Aronofsky

Acaba de ser lançado o trailer oficial de ‘Mãe!’, novo filme de suspense de Darren Aronofsky, mesmo diretor de ‘Cisne Negro’, ‘Noé’ e ‘Fonte da Vida’. Confira abaixo as versões dublada e legendada.

Dublada:

 

Legendada:

 

O elenco contará com as participações de Javier Bardem e Jennifer Lawrence, bem como de Ed Harris, Michelle Pfeiffer, Domhnall Gleeson, Kristen Wiig, entre outros astros.

A história acompanha a vida de um casal (Bardem e Lawrence) que terá seu relacionamento testado após a chegada de pessoas não convidadas, acabando com a tranquilidade que até então era reinante.

‘Mãe!’ chega aos cinemas brasileiros em 21 de setembro de 2017, com distribuição da Paramount Pictures.

Por: Cesar Augusto Mota

Terror psicológico com Jennifer Lawrence ganha primeiro teaser. Veja!

Terror psicológico com Jennifer Lawrence ganha primeiro teaser. Veja!

A Paramount Pictures acaba de lançar o primeiro teaser de ‘Mãe!’, terror psicológico dirigido por Darren Aronofsky e protagonizado por Jennifer Lawrence. O primeiro trailer será lançado em 8 de agosto.

A narrativa conta a história de um casal que passa a ter o relacionamento testado após a chegada de pessoas não convidadas e que acabam com a tranquilidade entre eles. O elenco conta com as atuações de Jennifer Lawrence, Javier Bardem, Michelle Pfeiffer e Ed Harris.

 

 

O longa chega aos cinemas brasileiros em 21 de setembro de 2017.

Por: Cesar Augusto Mota