‘Três Anúncios para um Crime’ surpreende e leva prêmio de melhor filme no BAFTA 2018

‘Três Anúncios para um Crime’ surpreende e leva prêmio de melhor filme no BAFTA 2018

A corrida pelo Oscar esquenta ainda mais. A menos de quinze dias da maior premiação da sétima arte, o filme ‘Três Anúncios para um Crime’, do diretor Martin McDonagh, foi a sensação do BAFTA (British Academy of Film and Television Arts), o Oscar inglês, e levou o prêmio de melhor filme, desbancando o favorito ‘A Forma da Água’, do cineasta mexicano Guillermo del Toro.

Além de filme, ‘Três Anúncios’ faturou os prêmios de melhor atriz (Frances McDormand), melhor ator coadjuvante (Sam Rockell), melhor roteiro original e melhor filme britânico. Apesar de ter perdido a estatueta de melhor filme, ‘A Forma da Água’ levou os prêmios de melhor diretor (Guillermo del Toro), melhor trilha sonora original e melhor direção de arte.

‘O Destino de uma Nação’, do diretor Joe Wright, conquistou os prêmios de melhor maquiagem e melhor ator (Gary Oldman). Já na categoria animação, o filme da Disney/Pixar ‘Viva-A Vida é uma Festa’, confirmou seu favoritismo e levou a estatueta.

Confira abaixo a relação completa dos premiados no BAFTA 2018:

Melhor filme: “Três Anúncios para um Crime”, de Martin McDonagh
Melhor direção: Guillermo del Toro, por “A Forma da Água”
Melhor atriz: Frances McDormand, por “Três Anúncios para um Crime”
Melhor ator: Gary Oldman, por “O Destino de uma Nação”
Melhor atriz coadjuvante: Allison Janney, por “Eu, Tonya”
Melhor ator coadjuvante: Sam Rockwell, por “Três Anúncios para um Crime”
Melhor Filme Britânico: “Três Anúncios para um Crime”
Melhor roteiro original: “Três Anúncios para um Crime”
Melhor roteiro adaptado: “Me Chame Pelo Seu Nome”
Melhor curta britânico: “Cowboy Dave”
Melhor curta-metragem de animação britânico: “Poles Apart”
Melhor filme de diretor, roteirista ou produtor britânico estreante: “I Am Not a Witch”, de Rungano Nyoni
Melhor filme estrangeiro: “A Criada”, de Park Chan-wook
Melhor documentário: “I Am Not Your Negro”, de Raoul Peck
Melhor Animação: “Viva – A Vida É Uma Festa”, de Lee Unkrich
Melhor Trilha Sonora Original: “A Forma da Água”
Melhor fotografia: “Blade Runner 2049”
Melhor edição: “Em ritmo de fuga”

Por: Cesar Augusto Mota

Anúncios
Maratona Oscar: Viva-A Vida é uma Festa

Maratona Oscar: Viva-A Vida é uma Festa

A qualidade das animações Disney/Pixar é inquestionável, com produções incríveis, histórias envolventes e direcionadas a toda a família. E sem dúvida você irá se encantar com ‘Viva-A Vida é uma Festa’ (Coco), com um enredo que fala de sonhos, fé e, principalmente, o valor da família em nossas vidas, algo considerado inestimável.

A história nos apresenta o jovem Miguel, apaixonado por música e disposto a seguir carreira artística, mas impedido por sua família de realizar seu sonho, que prefere vê-lo seguir a tradição familiar de décadas, de fabricação e manutenção dos Calçados Rivera. Um feriado costuma chamar a atenção da pequena cidade situada no México, ‘El Dia de los Muertos’, que costuma ter um festival de música com diversos estilos e para homenagear entes queridos de diversos núcleos familiares. Miguel vê a chance de mostrar seu talento para uma grande, mas terá que fazer isso escondido de seus pais, avó e da sua bisavó Coco. Esse é apenas o ponto de partida para que Mig uel se envolva em uma grande aventura, que terá muita luta, fé e principalmente, descobertas, uma delas sobre Ernesto de La Cruz, um grande cantor e compositor, ídolo de milhares de mexicanos que morreu em um terrível acidente.

Falei anteriormente sobre sonhos e fé, mas outro trunfo da animação foi a de saber mostrar para as pessoas uma outra forma de se lidar com a morte, afinal, nem todos estão preparados para um momento que envolve dor e saudade. Uma espécie de ponte é utilizada para que os mortos possam visitar os vivos e esse mesmo artifício será utilizado para que Miguel cumpra uma importante missão e possa vir a ter a aprovação de sua família para seguir a carreira de músico.

A qualidade gráfica é impressionante, os efeitos CGI utilizados encantam o público e fazem as pessoas enxergarem a morte de um modo menos doloroso e com uma pontinha de saudosismo. A sensação de imersão em um novo ambiente e as cores vibrantes ditam o filme, além de um roteiro bem estruturado e com grandes reviravoltas. Na medida em que a trama se desenvolve, grandes segredos da família de Miguel e de Ernesto de la Cruz são revelados e tudo começa a fazer mais sentido, mas isso não faz o espectador perder o interesse pela sequência, ao contrário, mais ele se empolga e mais curioso fica pelo próximo cenário e a próxima música a ser executada.

Embarque nessa incrível experiência e aprecie bastante ‘Viva-A Vida é uma Festa’, você verá que a vida é capaz de nos proporcionar momentos dramáticos, envolventes, épicos e também intensos, além de constatar que tudo vale a pena. Não deixe de assistir!

Avaliação: 5/5 poltronas.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota

Poltrona Resenha: Carros 3/ Cesar Augusto Mota

Poltrona Resenha: Carros 3/ Cesar Augusto Mota

Mais um filme da franquia ‘Carros’, da Disney Pixar, acaba de chegar ao circuito nacional. O CEO do estúdio de animação, John Lasseter, aposta em uma produção que explora um lado mais saudosista e humano, tendo em vista o fracasso de bilheteria dos filmes anteriores. Será que ‘Carros 3’ vale a pena?

O corredor Relâmpago McQueen, carro vermelho de número 95 e com carreira vitoriosa na Copa Pistão, acaba sofrendo um grave acidente e se deparando com carros mais avançados e ágeis, o que o faz pensar seriamente em se aposentar. Mas o competidor reluta contra a ideia e pensando em prolongar um pouco mais sua carreira, acaba contratando uma nova treinadora, Cruz Ramirez, que vai ajudá-lo com atividades que envolvem simuladores ultramodernos e corridas de destruição em espaços rurais.

O lado nostálgico também pesa na trama, com cenas do mentor Doc Hudson, maior inspirador e incentivador de McQueen, um dos principais personagens que evita que o carro 95 desista de vez da carreira no automobilismo e o mobiliza a correr nas 500 milhas da Califórnia, que pode dar uma sobrevida a ele ou significar o fim de uma brilhante carreira em caso de fracasso. Foi uma grande jogada incluir Doc Hudson, suas inserções são precisas e corretas na história.

Seu maior rival, Jackson Storm, com sua arrogância e autoconfiança que lhe são peculiares, dá sua vitória nas 500 milhas como certa, mas não contava com um preparo especial de McQueen e o apoio incondicional da equipe dele. A batalha entre ambos promete ser um duelo de titãs, com muita estratégia, habilidade e altas doses de adrenalina, além de algumas surpresas e uma grande reviravolta que ocorre durante a prova.

Somos também brindados com uma excelente qualidade gráfica e um perfeito jogo de cores, pensamos em alguns momentos se tratar de um filme em live action, além do design da pista onde a corrida ocorre, lembra muito a que recebe provas da Fórmula Indy e até mesmo da Nascar, um show de qualidade e grafismo.

‘Carros 3’ traz mensagens importantes, sobre lembranças, superação e humildade. Devemos reconhecer nossas qualidades, defeitos, novos limites, saber o que corrigir, encontrar motivação e o principal, o momento certo de parar. O filme proporciona momentos divertidos, tensos, emocionantes e importantes reflexões. Se está longe de ser inesquecível, promove boas experiências, vale o ingresso.

 

 

Por: Cesar Augusto Mota